Rádio Observador

Basquetebol

Ricky, o miúdo Rubio que não precisa do irmão para fazer história (ou como a Espanha ganhou à Polónia)

Marc Gasol não tem o irmão Pau, os irmãos Hernangómez voltaram a brilhar mas foi Ricky Rubio (também ele com um irmão jogador) a liderar a Espanha frente à Polónia (90-78) nos quartos do Mundial.

Ricky Rubio foi o melhor marcador da Espanha no dia em que se tornou o jogador com mais assistências em fases finais de Mundiais

dpa/picture alliance via Getty I

Durante anos a fio, a carreira de Marc acabou por andar muitas vezes na sombra do irmão mais velho, Pau, bicampeão da NBA pelos Los Angeles Lakers em 2009 e 2010. Na seleção, aí, tudo era diferente. Não havia um maior ou mais vencedor do que outro – ganhavam e perdiam juntos, com mais triunfos do que insucessos como aconteceu no Mundial de 2006 ou nos Europeus de 2009 e 2011. Agora, Pau ficou de fora, Marc chegou como campeão da NBA pelos Toronto Raptors mas há outra dupla de irmãos a destacar-se por Espanha, Willy e Juan Hernangómez. Contra a Polónia, no triunfo por 90-78, voltaram a ser dos melhores marcadores da equipa. No entanto, a principal estrela foi um base e não um poste: Ricky Rubio.

O agora jogador dos Phoenix Suns, depois de seis anos nos Minnesota Timberwolves e dos últimos dois nos Utah Jazz, tornou-se neste único jogo dos quartos do Mundial apenas com equipas europeias o atleta com mais assistências em fases finais da competição (uma estatística feita apenas a partir da edição de 1994), superando por dois passes o registo que pertencia até esta terça-feira ao base argentino Pablo Prigioni, entre as participações de 2006, 2010 e 2014 (106).

Mas não foi apenas no capítulo do passe que Ricky Rubio, também ele com um irmão jogador (Marc, que foi apenas internacional nas camadas jovens da seleção espanhola e nunca chegou à NBA), se destacou contra a Polónia: além de ter sido o melhor marcador da equipa frente aos polacos, com um total de 19 pontos e três triplos em alturas cruciais do encontro quando a equipa contrária tentava “apertar” o resultado, somou mais um encontro com 15 ou mais pontos, algo que só não aconteceu numa partida até ao momento neste Campeonato do Mundo que se está a realizar na China (Irão). Até nos ressaltos o base de 28 anos esteve em foco, terminando o encontro com cinco – o melhor registo da equipa liderada por Sergio Scariolo.

Com este triunfo, a Espanha chegou pela terceira vez na história às meias-finais do Campeonato do Mundo, depois da vitória em 2006 e do quarto lugar em 1982, tendo agora pela frente o vencedor do encontro entre a Austrália e a Rep. Checa, que será jogado esta quarta-feira. Nas meias encontra-se já também a Argentina, que venceu de forma algo surpreendente a candidata Sérvia ao início da tarde e vai defrontar os Estados Unidos ou a França por um lugar no jogo decisivo da prova.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)