Um dos edifícios da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, no Campo Grande, foi evacuado devido a um acidente com uma substância perigosa. O acidente com cloreto de titânio aconteceu esta manhã num dos laboratórios, durante uma experiência de um doutorando da instituição, explicou ao Observador o investigador João Medeiros, do Centro de Ciências do Mar e Ambiente (MARE). A situação já está controlada.

“Não houve derrame nenhum, o que aconteceu é que o ácido clorídrico” persistiu na atmosfera”, depois de uma reação do cloreto de titânio à água. O investigador explica ainda que “foi alertado” e ao chegar ao laboratório “sentiu um ligeiro picar no nariz”. Por causa disso, foram alertados os seguranças da faculdade a acionados os “protocolos de segurança”.

“Tínhamos um doutorando que estava a fazer uma experiência e tinha de preparar alguns reagentes — nomeadamente o cloreto de titânio —” e, a reação do químico com água, criou o ácido clorídrico que levou à evacuação do edifício. Contudo, o investigador garante que o estudante ” teve todos os cuidados “.

O edifício já reabriu, apenas o laboratório no qual ocorreu o incidente continua encerrado, apurou o Observador. “Temos de aguardar que nos deem permissão para que este vapor deste ácido clorídrico desapareça, presumo que os bombeiros tenham aberto as janelas”, explicou ainda o investigador.

O alerta foi dado por volta do meio-dia e que as autoridades fizeram um perímetro de segurança para os bombeiros realizarem o seu trabalho e procederam à evacuação de um dos edifícios.

De acordo com uma fonte do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, foram retiradas do edifício entre 25 e 35 pessoas. Tanto os bombeiros como a PSP foram chamados ao local.