Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Dez dias depois de ter arrancado o período de vacinação contra a gripe, a Administração Regional de Saúde do Norte não tem vacinas para distribuir às Unidades de Saúde Familiar e restantes unidades de Cuidados de Saúde Primários, avança o Sindicato Independente dos Médicos.

Jorge Roque Cunha, secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos, garantiu à Rádio Observador que nos Centros de Saúde da ARS Norte “não existem vacinas disponíveis”, mas que as farmácias, ao entrarem no programa, podem tê-las.

“O nosso apelo é que seja resolvido ou que pelo menos se diga quando é que vai ser resolvido”, disse Roque Cunha, acrescentando que é estranho o facto de a ARS Norte não tenha cumprido a data estipulada para o início do período de vacinação.

A ARS Norte, contactada pela Rádio Observador, garante que esta é uma situação pontual que deverá ser resolvida entre esta quinta-feira e sexta-feira, sendo que 111 mil doses já foram tomadas entre o início do período de vacinação, no dia 14, e esta quarta-feira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A diretora-geral de Saúde, Graça Freitas, em entrevista à RTP, confirma falhas no abastecimento, mas afirma que existem vacinas suficientes em armazém. Adianta ainda que vão ser distribuídas mais de 600 mil doses de vacinas nos próximos dias.

Segundo o Sindicato, os centros de saúde afetados pela falta de vacinas não conseguem responder à procura de vacinas pela parte de utentes que a estas se dirijam.

“A expectativa dos utentes é defraudada por motivos que são alheios às unidades de saúde e aos seus profissionais”, lê-se no comunicado publicado esta quarta-feira no site do Sindicato Independente dos Médicos.

Roque Cunha deixou o apelo: “É muito importante que as pessoas se vacinem contra a gripe. É fundamental que isso ocorra, é muito importante que faça parte das preocupações do Governo”.