John Ford estava na ilha de Midway quando os japoneses a atacaram, no primeiro dia da batalha, a 4 de Junho de 1942, e as imagens que ele então filmou fazem parte de uma curta-metragem de propaganda, “The Battle of Midway”, que pode ser vista no YouTube. Essas imagens, entre outras de arquivo, foram usadas no filme “A Batalha de Midway”, assinado em 1976 por Jack Smight. Rolland Emerich, o realizador deste novo “Midway”, quis recordar esse facto e homenagear Ford no seu filme, mostrando-o em plena rodagem durante o ataque nipónico, interpretado pelo ator Geoffrey Blake digitalmente “maquilhado” para se parecer com o realizador de “O Homem que Matou Liberty Valance”.

[Veja a curta-metragem de John Ford:]

Ou seja, John Ford não só captou imagens do ataque a Midway, como acabou por fazer parte, primeiro através destas, depois por um ator que o personificou, das duas superproduções de guerra produzidas pelo cinema americano sobre a grande batalha aeronaval travada entre os EUA e o Japão entre 4 e 7 de Junho de 1942, que contribuiu de forma decisiva para a mudança de rumo da II Guerra Mundial no teatro do Pacífico (o confronto também já foi tratado pelo cinema japonês, nomeadamente em dois filmes biográficos sobre o almirante Yamamoto, um de 1968, com Toshiro Mifune no papel principal, outro de 2011).

Posto perante a complexidade de um acontecimento como a batalha de Midway, Roland Emmerich, autor de pastelões mastodônticos como “Dia da Independência” ou “2012” (e “Midway” não foge a esta norma pesadona e colossal), tenta trocar em miúdos os factos históricos que relata, o que resulta num filme muito ao estilo “Reader’s Digest”, todo ele estenografia cinematográfica. Como mandam as regras, a ação divide-se por várias personagens, quase todas reais, dos dois lados em conflito e o tom é muito semelhante ao das fitas de guerra feitas por Hollywood na II Guerra Mundial, embora os japoneses sejam quase sempre representados com dignidade. Só que Emmerich gasta muito tempo com recriações, também elas muito sintéticas, do ataque a Pearl Harbor ou do raide de Doolittle a Tóquio, e quando a batalha propriamente dita começa, já o filme vai a mais de meio.

[Veja o “trailer” de “Midway”:]

A evocação da época e a encenação da acção militar (com os caças-bombardeiros Dauntless em grande destaque) são comprometidas pela recriação completamente disparatada das sequências de combate, em especial as aéreas, através dos efeitos digitais, por vezes imperfeitos e deixando uma forte impressão de artificialidade. Tal como outros filmes de guerra que o precederam, caso do inenarrável “Pearl Harbor” de Michael Bay, este não tem a menor noção das distâncias e do espaço, bem como da manobrabilidade  dos aviões nas sequências de bombardeamento e de confronto aéreo, caóticas e inverosímeis, saídas dos jogos de vídeo e sem correspondência com a realidade. “Midway” é uma indigesta salada visual de guerra no ar e no mar.

[Veja uma entrevista com Roland Emmerich:]

Se “A Batalha de Midway” feito em 1976 também não é lá muito famoso, apresenta ao menos um imponente alinhamento de atores nos papéis principais: Charlton Heston, Henry Fonda, Robert Mitchum, James Coburn, Glenn Ford, Cliff Robertson, Toshiro Mifune, etc. Que tem o “Midway” de Roland Emmerich para oferecer neste importante particular? Woody Harrelson a fazer de almirante Nimitz (!), Dennis Quaid subaproveitado como almirante Halsey e Aaron Eckhart de passagem na pele de Doolitle, acompanhados por criaturas indistintas como Patrick Wilson, Ed Skrein ou Alexander Ludwig. Não há comparação possível. E ao contrário da fita de Jack Smight, uma produção de grande estúdio (a Universal) típica da época, “Midway” é um filme independente, que conta com uma forte participação chinesa no orçamento. As voltas que o mundo e a economia dão, e Hollywood  com elas.