Em 1993/94, o Sporting viajou até à Áustria com a consciência relativamente tranquila. A equipa orientada por Bobby Robson tinha vencido o Casino Salzburgo, atual RB Salzburgo, em Alvalade, com golos de Cherbakov e Cadete, e estava com pé e meio na fase seguinte da Taça UEFA. Em território austríaco, o Sporting perdeu 3-0. Foi eliminado da segunda competição europeia e conta a história — ou contava a história — que Sousa Cintra despediu Bobby Robson ainda no avião de regresso a Lisboa.

Uma ida à ópera que começou com o azar de Rodrigo e acabou com o afirmar de Max (a crónica do LASK-Sporting)

“Eu, no avião, costumava dar uma palavra aos sportinguistas que viajavam connosco e com a equipa. O meu discurso foi, naturalmente, de grande frustração, pelo que algumas pessoas entenderam que eu tinha dito isso, mas eu não despedi o Robson no avião”, disse o antigo presidente leonino ao jornal Record. “A única coisa de que me arrependo no Sporting foi ter despedido Bobby Robson, porque era um senhor. Foi um erro meu, que faz parte do passado”, concluiu Sousa Cintra.

26 anos depois, o Sporting voltou a cair na Áustria. Desta vez, a derrota foi contra o LASK — e desta vez, a derrota não significou uma eliminação. Ainda assim, impediu os leões de chegarem à terceira vitória consecutiva, impediu os leões de terminarem no primeiro lugar do grupo e impediu ainda os leões de atingirem os 15 pontos que seriam um recorde em fases de grupo europeias.

No final da partida, Emanuel Ferro defendeu que “a expulsão complicou um bocado” a estratégia leonina. “A estratégia foi aquela que conseguimos impor em alguns momentos, após um início muito forte do adversário. Com posse de bola, saídas rápidas, mas tivemos dificuldade. O LASK foi uma equipa agressiva”, explicou o adjunto de Silas.

“Nós temos a consciência de que os jogadores que estiveram deram tudo. A equipa há dias em que consegue impor melhor o seu jogo, há dias em que não consegue. As nossas opções hoje [quinta-feira] foram estas, temos a consciência das decisões que tomamos e essas foram as melhores decisões, o resultado não foi o melhor. Perdemos o primeiro lugar mas estamos apurados para a próxima fase, o que representa uma fase de grupos muito bem conseguida da nossa parte. Conseguimos também fazer descansar alguns jogadores devido à grande densidade competitiva. Estes jogadores estavam altamente preparados para este jogo”, acrescentou Emanuel Ferro.

O Sporting terminou então a fase de grupos da Liga Europa com 12 pontos, menos um do que o líder LASK, e não vai ser cabeça-de-série nos 16 avos de final. Algo que não preocupa Eduardo, o médio leonino que foi esta quinta-feira titular e lembra que “se o Sporting quiser ser campeão terá de jogar com todos”. “Aqui no Sporting toda a gente está preparada para jogar qualquer jogo. Temos grandes jogadores e independentemente de quem está, lutamos sempre pela vitória. Se queremos ser campeões temos de jogar contra todas as equipas. Queríamos ganhar e ser primeiros. Não conseguimos, agora é descansar e pensar no próximo jogo”, defendeu o médio brasileiro.