Primeiro, no início da semana, veio a depressão Daniel. Depois, esta quinta-feira, Portugal Continental foi fortemente abalado pelo “Elsa”, com danos provocados em todo o continente — com maior incidência nas regiões norte e centro — e duas vítimas mortais. Segue-se agora a depressão “Fabien”, que terá impacto no fim-de-semana, sobretudo no sábado, também mais intensamente a norte e centro.

Antes, esta sexta-feira, após uma madrugada que se espera ainda complicada, deverá haver ligeira melhoria do estado do tempo, com menos precipitação mas ainda com muito vento.

Com a chegada da depressão Fabien, prevê-se para sábado um novo agravamento de vento e também de alguma precipitação. Não deverá registar uma intensidade tão grande como a depressão Elsa, mas poderá atingir o território do continente no sábado e ter ainda alguns efeitos no domingo”, explicou ao Observador o meteorologista do IPMA, Nuno Moreira.

Os piores efeitos da depressão “Fabien” sentir-se-ão no grau da agitação marítima, que “poderá ser mais gravoso” do que o que se sentiu esta quinta-feira. “A situação do vento terá também alguma severidade, mas não tanta” como a que se sentiu com o impacto da depressão “Elsa”, acrescentou o meteorologista. O mesmo acontecerá com a precipitação. “O ‘Elsa’ é a depressão de maior risco meteorológico associado a ventos fortes e precipitação intensa. É a depressão mais gravosa deste ciclo de uma semana, em que o território está a ser afetado por várias depressões”.

Os efeitos esperados da depressão Fabien deverão começar a desvanecer-se ao longo do dia de domingo. “Espera-se que ao longo de domingo comece a haver melhoria das condições meteorológicas e de forma generalizada, embora as regiões do norte devam continuar a ser afetadas por situações de precipitação pelo menos até ao dia de Natal”, isto é, até dia 24 de dezembro, “até à Consoada”, apontou Nuno Moreira. O dia 25 deverá ser já “relativamente ameno”.

O meteorologista do IPMA ouvido pelo Observador adiantou que “só possivelmente no dia de Natal é que deverá começar a notar-se ausência de precipitação em todas as regiões do território [continental]”. Nas regiões centro e sul, as melhorias sentir-se-ão mais intensamente a partir já do final de domingo.