A Câmara de Viseu aprovou esta segunda-feira o lançamento do concurso da cobertura e requalificação do Mercado 2 de Maio, num total de cinco milhões de euros financiados em 85% por fundos comunitários, custando a obra à autarquia 600 mil euros.

“Este concurso para o Mercado 2 de Maio irá custar aos cofres do município 600 mil euros, porque o resto é no âmbito do PEDU, ou seja, em 85% por fundos comunitários. Portanto, aproveitaremos muito bem os fundos comunitários que estão à nossa disposição, que foram aprovados em devido tempo e foi considerado o melhor Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano da região Centro”, anunciou o presidente da câmara.

António Almeida Henriques (PSD) falava na última reunião do executivo em 2019, esta segunda-feira aberta ao público, quando apresentava à votação o lançamento do concurso e depois de a oposição questionar o valor crescente da obra.

O vereador José Baila Antunes (PS) referiu que “há pouco mais de um mês o senhor presidente falava em dois milhões de euros, agora está em cinco milhões de euros”, quando “a própria cobertura começou em cerca de um milhão de euros e agora vai em cinco vezes mais”. “Essa é mais uma razão para a indignação contra esta solução completamente anacrónica arranjada pelo executivo social democrata”, declarou o vereador.

António Almeida Henriques destacou todo o processo, que passou por “debate público, aprovação de vários projetos sujeitos mais tarde a um concurso público, onde foi selecionado o projeto que vai agora a concurso”, sendo esta obra “a última que faltava lançar no âmbito do PEDU, do Centro 2020”.

O presidente da Câmara de Viseu adiantou que, desde que chegou à autarquia, “sempre disse que iria ser encontrada uma solução para o cemitério do centro da cidade, que é como os comerciantes chamam àquele espaço”, o mercado, situado no centro histórico da cidade.

Do valor da obra, 3,8 milhões de euros destinam-se à cobertura com painéis fotovoltaicos, 840 mil euros para a requalificação de todas as lojas existentes e cerca de 220 mil euros para a climatização dos espaços. A obra tem um período de execução de 602 dias.

A cobertura do Mercado 2 de Maio vai permitir produzir energia limpa não só para o edifício, mas também para o espaço da empresa Águas de Viseu e, em algumas circunstâncias, também para o edifício do município, concretizou o autarca, realçando que se estima, “por força da energia produzida”, que “haja um retorno de investimento em cerca de 10 anos”.

António Almeida Henriques anunciou que, “no dia da inauguração, está combinada a presença do senhor Presidente da República de Moçambique, uma combinação feita no dia em que ele passou por Viseu”, em 05 de julho, aquando da visita oficial a Portugal.