O município de Ovar revelou esta quinta-feira a sua programação cultural para o primeiro trimestre de 2020, anunciando espetáculos por The Gift, Capitão Fausto, Alcione e Anselmo Ralph, entre várias outras propostas, como uma exposição sobre livros ‘pop-up’.

Atividades desportivas, leitura de contos infantis, sessões de “showcooking”, oficinas, visitas orientadas ao património e procissões quaresmais são outras das iniciativas que a autarquia do distrito de Aveiro propõe até final de março, numa calendarização que inclui ainda várias ações relacionadas com o Carnaval – como acontece com os concertos da brasileira Alcione, os portugueses Toy e Quim Barreiros e o angolano Anselmo Ralph.

O vereador da Cultura na Câmara de Ovar, Alexandre Rosas, realçou que, no contexto específico do Carnaval, o município procurou reforçar a qualificação dos agentes locais envolvidos na dinamização do Entrudo vareiro, o que este ano irá envolver formação pelo grupo de percussão Monobloco, do Rio de Janeiro. “Durante uma semana, o Monobloco vai dinamizar uma oficina de percussão com a comunidade carnavalesca de Ovar e isso alargar-se-á a outros carnavais do país, para culminar com um grande espetáculo a 1 de fevereiro”, revela o autarca.

Quanto aos espetáculos em sala, as principais apostas da autarquia levarão ao Centro de Arte de Ovar a banda The Gift, com um concerto inspirado no verão, e o grupo Capitão Fausto, que aí apresentará o seu quarto álbum de originais, “A invenção do dia claro”.

O programa trimestral para a Cultura em Ovar prevê ainda palestras com o médico e pintor Levi Guerra e com o fotógrafo Frederico Martins, assim como encenações de “O Ploc do Pollock” por Bruno Humberto e Rui Almeida Paiva, “Mãos de sal” pelo Teatro de Marionetas de Mandrágora, “A turma de 95” por Raquel Castro e ainda “A criada Zerlina” por João Botelho, com cenários e figurinos de Pedro Cabrita Reis.

Seguem-se várias exposições sobre temáticas diversas: de ilustração, “Sophia, a menino da terra e do mar”, por Evelina Oliveira; de fotografia, “A paisagem escondida de Copacabana”, por Sérgio Duarte, e retratos por Carlos Relvas (1838-1894); sobre ofícios em vias de extinção, Sacaria 4.7″, sobre os primórdios da indústria papeleira local e a produção das antigas embalagens de papel; e sobre educação, a mostra sobre o pedagogo Bernardino Machado.

Os livros “pop-up”, que envolvem ilustrações recortadas que se elevam a três dimensões ao abrir das páginas, motivam, por sua vez, uma exposição comissariada por José Alberto Rodrigues, que orientará também uma oficina com ensinamentos sobre essas e outras construções em papel. A programação cultural de Ovar até março de 2020 abrange ainda diferentes sessões do movimento “Shortcutz”, que regularmente leva ao Museu Júlio Dinis curtas-metragens, sempre apresentadas pelo respetivo realizador ou por um outro elemento da equipa de produção.