O segundo volume da mais recente tradução das Mil e Uma Noites, a primeira em português feita a partir dos manuscritos árabes mais antigos, vai sair neste mês de janeiro, no dia 15, adiantou ao Observador a E-Primatur. Este livro deveria concluir o trabalho de tradução iniciado há mais de dois anos por Hugo Maia, mas haverá ainda um terceiro volume, agendado para maio, que reunirá a segunda parte da última história contada por Xerazade ao rei Xariar. Esta história aparece cortada nos manuscritos mais antigos. A sua conclusão surge apenas em documentos posteriores, em diferentes versões.

A tradução das Mil e Uma Noites de Hugo Maia reúne as 1282 histórias contadas por Xerazade a Xariar para adiar a sua morte. É que, apesar do título As Mil e Uma Noites nunca tiveram 1.001 contos, como explicou ao Observador o tradutor por altura da publicação do primeiro volume, em agosto de 2017. Além disso, as histórias mais famosas, como “Ali Babá e os Quarenta Ladrões” ou “Aladino”, não fazem parte dos textos originais, tratando-se de invenções tardias, dos séculos XVIII e XIX.

Além destes volumes, a E-Primatur vai publicar, em 2020, o romance político Homens na Prisão, de Victor Serge, Os Sete Pilares da Sabedoria, de T. E. Lawrence, À noite no Expresso da Galáxia, de Kenji Myiazawa, O Mocho Cego, de Sadeq Hedayat, Contos e Apólogos, de Jean-Jacques Rousseau, o primeiro volume das obras completas de Bernardo Santareno, no ano em que se celebra o centenário do seu nascimento, e o volume inaugural de uma coleção de ficção curta do escritor russo Mikhail Bulgakov, traduzir a partir do original.

Pela Bookbuilders, uma chancela E-Primatur, vai sair História dos Povos Árabes, de Albert Hourani, e Reflexões de um Cineasta, de Serguei Eisenstein, e pela Livro B a primeira tradução integral de O Rei de Amarelo, de Robert W. Chambers, Metropolis, de Thea Von Harbou, e A Dança dos Ossos, uma antologia do contos góticos luso-brasileiros organizada por Ricardo Lourenço.