Uma criança de oito anos morreu no domingo à tarde na triagem da urgência pediátrica do hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, enquanto se fazia a reavaliação do seu estado. No dia anterior, os pais da criança tinham recorrido ao mesmo serviço de urgência — uma notícia que foi inicialmente avançada pelo Diário de Notícias da Madeira — quando a criança apresentava um quadro de “infeção viral respiratória superior”, esclareceu esta segunda-feira o diretor da urgência pediátrica da unidade, Manuel Pedro.

Segundo o médico, “está em curso um processo interno para averiguação da situação” e estão ainda a aguardar “mais exames” para tentar perceber o que terá causado a morte da criança. O diretor da Urgência Pediátrica afastou as hipóteses de erro ou negligência.

Perante o quadro que a criança apresentava, foram cumpridos os protocolos de atuação preconizados e prescrita a medicação adequada”, referiu esta segunda-feira o Sesaram em comunicado, indicando que a criança tinha 8 anos.

Ainda de acordo com o responsável, que falava aos jornalistas na unidade hospitalar, as hipóteses de meningites foram descartadas, tudo apontando para um quadro semelhante ao “de uma gripe”. “Foi imediatamente acompanhada, quando chegou ao hospital, foram feitas tentativas de reanimação, foi feito tudo aquilo que é possível”, disse esclarecendo também que foi disponibilizado apoio psicológico à família.

Lara foi transferida do centro de saúde de Machico para o hospital do Funchal uma vez que os “cuidados implicavam maior diferenciação” e no hospital do Funchal a urgência pediátrica garantia esses cuidados à menor.

Segundo o Sesaram, “aguarda-se decisão do magistrado do Ministério Público quanto à realização ou não de autópsia, a qual será comunicada diretamente à Medicina Legal”.

O médico salientou ainda que no dia da observação “a Urgência estava muito calma”, sem atrasos nas observações ou na prestação de cuidados médicos. “O Sesaram e os seus profissionais lamentam profundamente o falecimento e solidarizam-se com os familiares”, conclui.

No fim do ano também Leonor, de 12 anos, perdeu a vida depois de uma ida às urgências da CUF, em Almada, motivando a abertura de um inquérito e a suspensão temporária da médica que a viu no serviço de urgência e entendeu que esta apenas queria “atenção”.