Um homem de 70 anos foi constituído arguido por “comércio ilegal de aves autóctones”, após ter sido identificado, domingo, pela GNR a exercer essa atividade na feira da Estela, Póvoa e Varzim, distrito do Porto.

O indivíduo foi intercetado pelos militares, no âmbito de uma ação de fiscalização à feira, na posse 38 aves autóctones para venda, nomeadamente espécies protegidas como tentilhões-comuns, lugres, chamarizes e dom Fafe.

O suspeito, com antecedentes criminais por o mesmo tipo de crime, punível com uma pena de prisão até dois anos, foi constituído arguido e os factos remetidos ao Tribunal Judicial de Póvoa de Varzim”, informou a GNR através de um comunicado.

Nesta ação, que contou com o reforço de elementos do Instituto de Conservação da Natureza e Floresta, as aves apreendidas foram entregues no Parque Biológico de Vila Nova de Gaia, para serem examinadas por um veterinário e, posteriormente, libertadas no habitat natural.

Ainda nesta ação, foram apreendidas diversas gaiolas usadas no transporte das aves e ainda uma viatura ligeira de mercadorias.