O PCP lança na sexta-feira no comício dos seus 99 anos, o programa do centenário do partido, criado em 6 de março de 1921, e que se prolongará durante por dois anos, até março de 2022.

Para esta sexta-feira está agendado um comício no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, em que está previsto o discurso de Jerónimo de Sousa, secretário-geral dos comunistas portugueses há 16 anos, desde o congresso de 2004, quando sucedeu a Carlos Carvalhas.

No mais recente comité central do PCP, no sábado e no domingo, o partido aprovou uma resolução com as comemorações do centenário do partido, que integram “um amplo programa de reforço orgânico” dos comunistas em diversos planos, a ser anunciadas na sexta-feira e que vão prolongar-se por dois anos, até ao 101.º aniversário, em 6 de março de 2022.

O Partido Comunista Português foi criado em 1921 e teve, ao longo da sua história, cinco secretários-gerais, tendo Álvaro Cunhal sido o mais marcante, durante 32 anos, entre 1961 e 1992.

O primeiro, de 1921 a 1929, foi José Carlos Rates, seguindo-se Bento Gonçalves, de 1929 a 1942. Da década de 1940 a 1961 houve um período sem secretário-geral, antes de Cunhal ser escolhido. Carlos Carvalhas foi líder do partido de 1992 e 2004, ano em que é escolhido Jerónimo de Sousa.