Barbeiros na Baixa de Lisboa e na Avenida de Roma, um vendedor de cerejas em Campanhã, um taxista ainda sem clientes, surfistas na praia de Matosinhos a matar saudades do mar, o trânsito do IC 19 e no acesso à ponte 25 de Abril. Ou, simplesmente, o ministro do Ambiente a espreitar uma vending machine no metro do Marquês de Pombal, que, além dos tradicionais chocolates, vende máscaras e luvas. São estas as imagens da primeira manhã de desconfinamento tiradas por fotojornalistas do Observador em vários locais de Lisboa e Porto.

A reabertura está a ocorrer a um ritmo muito lento, quase a medo. O Centro Comercial Colombo, em Lisboa, continua a parecer uma cidade-fantasma e a Rua de Santa Catarina, no Porto, está longe, muito longe, da movimentação que tinha antes de março.