A Direção-Geral da Saúde está a ponderar fazer testes retrospetivos para saber se os casos de pneumonia com causa desconhecida identificados no final do ano passado e início deste já tinham sido provocadas pelo novo coronavírus. Em conferência de imprensa esta quinta-feira, Graça Freitas disse que “a DGS, com o seu grupo de especialistas, está a ponderar a questão”.

Esta é uma estratégia que vai ser aplicada por outros países, nomeadamente em França, para saber se a Covid-19 já tinha entrado nesses territórios ainda antes de ser conhecida pela comunidade científica. “É uma questão muito complexa mas está a ser ponderada de acordo com a informação publicada e das orientações da OMS”, concretizou Graça Freitas.

A notícia surge no dia em que se verificou uma subida de 4,3% no número de casos a necessitar de internamento, revela o boletim epidemiológico publicado esta quinta-feira. Neste momento, há 874 pessoas internadas nos hospitais portugueses. No entanto, houve uma diminuição de um caso nos cuidados intensivos. São agora 135.

Segundo António Lacerda Sales, secretário de Estado da saúde, desde dia 1 de março foram realizados mais de 490 mil testes de diagnóstico para Covid-19. Há 73 laboratórios a processar amostras no país. Destes, 32 são do Serviço Nacional de Saúde, 19 de grupos privados e outros 22 são de outras entidades, como a academia ou o exército.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.