Um novo estudo, publicado na prestigiada revista científica The Lancet, sugere que a covid-19 possa estar associada a uma reação inflamatória rara em crianças, com sintomatologia associada à doença de Kawasaki, a qual pode provocar manchas na pele, inflamações e até afetar o coração de crianças menores de cinco anos, como já antes escreveu o Observador.

O estudo em questão foi levado a cabo por um grupo de médicos da unidade pediátrica do Hospital Papa Giovanni XXIII, em Bérgamo, cidade italiana localizada na Lombardia, região duramente afetada pela pandemia.

A investigação permitiu perceber que entre 18 de fevereiro e 20 de abril de 2020 um total de 10 pacientes, com uma idade média de 7,5 anos (sete rapazes e três raparigas), foram diagnosticados com a doença de Kawasaki. Já entre 1 de janeiro de 2015 e 17 de fevereiro de 2020, apenas 19 crianças receberam o mesmo diagnóstico (idade média de 3 anos; sete rapazes e 12 raparigas).

Novo mistério: doença rara parece estar associada a Covid-19 nas crianças. E haverá um caso em Portugal

Os investigadores tiveram em conta estes dois grupos cuja análise comparativa mostra um aumento em 30 vezes do número de casos registados na altura em que surgiu o surto de Covid-19 naquela região. Os dados permitem perceber que antes da pandemia o hospital recebia cerca de um caso da doença de Kawasaki a cada três meses.

As crianças diagnosticadas após o início da epidemia de SARS-CoV-2 eram mais velhas e apresentaram mais complicações cardíacas (oito das dez crianças hospitalizadas a partir de 18 de fevereiro foram diagnosticadas com o novo coronavírus; nenhuma morreu). Os pacientes diagnosticados com a doença de Kawasaki após a disseminação do vírus apresentaram, então, sintomas mais graves e necessitaram de tratamentos mais prolongados.

Ainda assim, os investigadores alertam que é difícil chegar a uma conclusão uma vez que o estudo apresenta “limitações” por basear-se num conjunto de casos “relativamente pequenos”. Por esse motivo, os autores afirmam que é precisa “confirmação em grupos maiores”. Ainda assim, “reportamos uma forte associação entre o surto semelhante à doença de Kawasaki e a epidemia de SARS-CoV-2 na província de Bérgamo, na Itália. (…) Acreditamos que estas descobertas têm implicações importantes para a saúde pública”, lê-se no estudo.

É ainda referido que a sintomatologia em causa representa uma condição rara, que “provavelmente não afeta mais do que uma em 1000 crianças expostas ao SARS-CoV-2”. Outro dos avisos feitos no estudo remete para a possibilidade de um surto semelhante acontecer em países também eles afetados pelo novo coronavírus.

De facto, em abril último médicos e investigadores estrangeiros começaram a reportar o aparecimento de um quadro de sintomas semelhante à doença de Kawasaki. Os primeiros a reportar este quadro clínico foram os espanhóis, britânicos e italianos. Os médicos notaram que as crianças desenvolviam manchas na pele e pressão arterial baixa, além de febre e dificuldades respiratórias — típicas nos casos de Covid-19, mas também comuns em doentes de Kawasaki, como já antes referiu o Observador.

EUA. 15 crianças estão hospitalizadas com síndrome “misteriosa”

No início de maio, um total de 15 crianças, muitas das quais antes infetadas com o novo coronavírus, foram hospitalizadas em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América, com uma síndrome que os médicos ainda não compreendem completamente, segundo informaram as autoridades de saúde.