Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

E, de repente, um novo livro de Manuel Vilas. A continuação de Ordesa: Em Tudo Havia Beleza, pujante exercício literário a partir de uma série de graves circunstâncias: a morte dos pais, um divórcio, problemas com o álcool, a laboriosa tentativa de comunicação com filhos em idade adolescente. Esta demanda impossível completa-se numa sentença que perdurou na cabeça dos leitores, pais e não pais: “Deixarmos tudo resolvido aos nossos filhos, morrer tranquilo é isso”.

Em contraposição, viver intranquilo é a vocação primeira de qualquer escritor que entende a escrita como uma forma de se jogar e de se colocar em perigo, de pesquisar, sem cobardia, os temas que interessam. É o que faz Vilas, poeta, ficcionista, ensaísta, colaborador na imprensa (tem coluna semanal no El País).

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.