Uma, duas, três, quatro. Depois de um regresso menos conseguido à competição da Juventus, que não foi além de um nulo frente ao AC Milan antes de perder nos penáltis a final da Taça de Itália com o Nápoles, a história na Serie A foi outra e com alguns capítulos extra acrescentados pelos adversários mais diretos: enquanto a Vecchia Signora ia somando triunfos (Bolonha, Lecce, Génova e Torino), os rivais mais diretos, Lazio e Inter, andavam de tropeção em tropeção quase a facilitar aquilo que nos outros anos acabou por ser fácil mas que na presente temporada era tudo menos facilidades. Daí que a derrota em San Siro frente ao AC Milan, permitindo uma reviravolta de 2-0 para 2-4 em 20 minutos, tenha sido mais uma mensagem para o futuro do que um aviso no presente.

No dia em que uns andaram à dentada, foi um Leão que feriu a Juventus (ou como o AC Milan deu a volta a um jogo em cinco minutos)

A Lazio quebrou. Após ter perdido no jogo de regresso em Bérgamo com a Atalanta, desperdiçando uma vantagem de dois golos nos 15 minutos inicias, ainda houve as vitórias sofridas com Fiorentina e Torino e mais três desaires consecutivos frente a AC Milan, Lecce e Sassuolo, na tarde deste sábado, em mais uma exibição fraca que teve o 2-1 dos visitantes por Caputo aos 90+1′ mas que podia ter ficado resolvido mais cedo. E o Inter quebrou. A seguir à vitória com a Sampdória e ao empate com o Sassuolo (consentido nos instantes finais), a equipa de Conte ganhou ao Parma e ao Brescia mas perdeu a seguir com o Bolonha, antes do empate em Verona. A Atalanta, essa, ficou melhor. E melhor. E melhor. Daí que, para a imprensa transalpina, este fosse quase o jogo do título.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.