As visitas aos cerca de 200 reclusos das alas H e C do Estabelecimento Prisional de Lisboa, colocados de quarentena devido à Covid-19, foram suspensas, mantendo-se contudo as dos advogados, revelaram esta terça-feira os Serviços Prisionais.

Em resposta às questões colocadas pela agência Lusa, a Direção-Geral dos Serviços Prisionais (DGRSP) adiantou que na sequência de testes efetuados aos reclusos colocados nos serviços clínicos do Estabelecimento Prisional de Lisboa se recebeu, esta terça-feira de manhã, a informação de que “há seis casos positivos à Covid 19”.

Estes seis reclusos, embora assintomáticos, foram conforme o protocolado encaminhados para o Hospital Prisional de São João de Deus”, esclareceu a DGRSP.

Esta entidade sob a tutela do Ministério da Justiça indica que, em articulação com a saúde pública, foi feito o levantamento de contactos de risco, tendo sido decidido colocar os reclusos das alas H e C (cerca de 200) em quarentena e fazer-se-lhes testes.

“Serão igualmente testados os trabalhadores identificados (cerca de 30) como tendo tido contactos suscetíveis de risco de contágio, sendo que a operação de testagem se iniciará na quarta-feira”, conclui a DGRSP.