Esta terça-feira, foram revelados os nomeados da próxima edição, a 63ª, dos prémios musicais Grammy, o equivalente para a indústria musical aos Óscares para a indústria do cinema. A cerimónia de entrega está agendada para 31 de janeiro e será apresentada por Trevor Noah.

As escolhas tiveram em conta conta as canções e discos editados por artistas entre 1 de setembro de 2019 e 31 de agosto de 2020. E incluem dois portugueses: André Allen Anjos e Maria Mendes.

André Allen Anjos, que vive nos EUA e que em 2017 venceu um Grammy na categoria Melhor Gravação Remisturada, volta a estar nomeado para essa categoria pela remistura de “Do You Ever”, um original de Phil Good. Esta é a terceira nomeação de André Allen Anjos a um Grammy. Na rede social Instagram, o português afirmou estar “verdadeiramente honrado e muito entusiasmado” pela nomeação. Em 2017, após ter vencido o seu primeiro Grammy, tinha dito ao Observador: “Não me lembro do que disse ao receber o Grammy”.

Maria Mendes, por sua vez, é uma cantora portuguesa que se especializou na música jazz mas que no seu último disco, Close To Me, editado em 2019, canta repertório de fado na companhia do pianista, compositor e produtor John Beasley e da orquestra Metropole Orkest.

O trio foi nomeado na categoria generalista — ou seja, não referente nem a um só estilo musical nem à “world music” — “Melhores Arranjos, Instrumentos e Vozes” pela versão de “Asas Fechadas”, um fado previamente cantado por Amália Rodrigues que Maria Mendes interpreta neste seu álbum de 2019. A cantora concorre com compositores e arranjadores como Pat Metheny e Meshell Ndegeocello (“From This Place”) e Jacob Collier e Rapsody (“He Won’t Hold You”), entre outros. Pode ouvir aqui a entrevista de Maria Mendes à Rádio Observador, em 2019.

Além de Maria Mendes e André Anjos, há outros portugueses nomeados para os Grammys, embora não tão diretamente. Não tendo sido nomeada mais nenhuma canção ou mais algum disco de autores portugueses, faz parte dos nomeados à categoria “Melhor Compilação para Media Visuais” a compilação Eurovision Song Contest: The Story of Fire Saga. Não sendo de autoria portuguesa, inclui, entre as suas 16 canções, o tema composto por Luísa Sobral e cantado por Salvador Sobral, “Amar Pelos Dois”, pelo que um galardão também distinguiria a dupla nacional.

Os nomeados das principais categorias generalistas

Os nomeados da próxima edição evidenciam um esforço para assegurar uma representatividade de género mais equilibrada do que em anos anteriores dos Grammy: há muito mais mulheres nomeadas, em especial para as categorias principais de Melhor Álbum, Melhor Canção, Melhor Gravação e Artista Revelação. Beyoncé é, aliás, a artista mais nomeada, com nove nomeações. Seguem-se, com seis nomeações, Taylor Swift, Dua Lipa e Roddy Rich.

Na categoria generalista mais desejada, a de Melhor Álbum do Ano, estão nomeados Chilombo de Jhené Aiko, Black Pumas (Deluxe Edition) dos Black Pumas, Everyday Life dos Coldplay, Djesse Vol. 3 de Jacob Collier, Women in Music Pt. III das Haim, Future Nostalgia de Dua Lipa, Hollywood’s Bleeding de Post Malone e Folklore de Taylor Swift.

Na edição anterior, o vencedor tinha sido When We All Fall Asleep, Where Do We Go?, disco de Billie Eilish que superou álbuns de Bon Iver, Lana Del Rey, Ariana Grande, H.E.R., Lil Nas X, Lizzo e Vampire Weekend.

Billie Eilish foi a grande vencedora dos Grammys. Lizzo e Lil Nas X ficaram com as migalhas

Já para categoria, também generalista, de Melhor Canção do Ano foram nomeadas “Black Parade”, de Beyoncé, “The Box” de Roddy Ricch, “Cardigan” de Taylor Swift, “Circles” de Post Malone, “Don’t Start Now” de Dua Lipa, “Everything I Wanted” de Billie Eilish, “I Can’t Breathe”, de H.E.R., e “If The World Was Ending” de JP Saxe e Julia Michaels.

Do lote acima sairá a canção que sucederá a “Bad Guy”, de Billie Eilish, distinguida como melhor canção na 62ª edição dos Grammys.

Para a categoria de Melhor Artista Novo, ou Artista Revelação, foram nomeados Ingrid Andress, Phoebe Bridgers, Chika, Noah Cyrus, D Smoke, Doja Cat, Kaytranada e Megan Thee Stallion. Na edição anterior, o vencedor foi Billie Eilish, aclamadíssima na 62ª edição dos Grammys.

Já à categoria de Melhor Gravação do Ano, concorrem “Black Parade” de Beyoncé, “Colors” dos Black Pumas, “Rockstar” de DaBaby com Roddy Ricch, “Say So” de Doja Cat, “Everything I Wanted” de Billie Eilish, “Don’t Start Now” de Dua Lipa, “Circles” de Post Malone e “Savage” de Megan Thee Stallion com Beyoncé. Billie Eilish pode assim repetir a vitória na edição anterior nesta categoria, conseguida então com “Bad Guy”.

Os Melhores Álbuns e as Melhores Canções de Rock

Os discos candidatos a melhor álbum rock da próxima edição dos Grammys são A Hero’s Death dos Fontaines D.C., Kiwanuka de Michael Kiwanuka, Daylight de Grace Potter, Sound & Fury de Sturgill Simpson e The New Abnormal dos The Strokes. No ano anterior venceu Social Cues, disco dos Cage The Elephant.

Ainda no universo rock, estão nomeadas para Melhor Canção de Rock “Kyoto”, de Phoebe Bridgers, “Lost In Yesterday”, dos Tame Impala, “Not”, dos Big Thief, “Shameika”, de Fiona Apple, e “Stay High”, de Brittany Howard. Uma delas sucederá a “This Land”, de Gary Clark Jr., distinguida no ano anterior.

Já para a categoria de Melhor Performance Rock foram nomeados os temas “Shameika”, de Fiona Apple, “Not”, dos Big Thief, “Kyoto”, de Phoebe Bridgers, “The Steps”, das HAIM, “Stay High”, de Brittany Howard e “Day Light”, de Grace Potter. Nesta categoria, como na de Melhor Canção Rock, há também uma predominância de mulheres entre nomeados, contrariando a tendência histórica para distinguir homens no universo rock.

Os nomeados na Folk e na “Música Alternativa”

Também já foram revelados os candidatos a melhores discos de “música alternativa”: são eles Fetch The Bolt Cutters de Fiona Apple, The Slow Rush dos Tame Impala, Hyperspace de Beck, Punisher de Phoebe Bridgers e Jaime de Brittany Howard. Na edição anterior, o vencedor foi Father of The Bride, da banda Vampire Weekend.

Já na categoria de Melhores Álbuns de Folk, concorrem os discos Bonny Light Horseman, de Bonny Light Horseman, Thanks For The Dance, álbum póstumo de Leonard Cohen, Song For Our Daughter, de Laura Marling, Saturn Return, de The Secret Sisters e All The Good Times, de Gillian Welch & David Rawlings.

Quem se destacou no R&B? Beyoncé e John Legend

No género R&B, estão nomeados para Melhor Álbum desta estética musical Happy 2 Be Here de Ant Clemons, Take Time de Giveon, To Feel Love/D de Luke James, Bigger Love de John Legend e All Rise de Gregory Porter. Um destes discos sucederá ao vencedor desta categoria na 62ª edição dos Grammys: Ventura, de Anderson .Paak.

Para Melhores Canções de R&B estão nomeadas “Better Than I Imagined”, de Robert Glasper com os convidados H.E.R. e Meshell Ndegeocello, “Black Parade” de Beyoncé, “Collide” de Tiana Major9 e EARTHGANG, “Do It” de Chloe x Halle e “Slow Down” de Skip Marley”. E para Melhor Performance de R&B foram nomeadas as canções “Lightning & Thunder” de Jhené Aiko & John Legend, “Black Parade” de Beyoncé, “All I Need” de Jacob Collier, Mahalia & Ty Dolla Signa, “Goat Head” de Brittany Howard” e “See Me” de Emily King.

Na lista de Melhores Álbuns de R&B Progressivo foram incluídos Chilombo de Jhené Aiko, Ungodly Hour de Chloe x Halle, Free Nationals do grupo Free Nationals, F*** Yo Feelings de Robert Glasper e It Is What It Is de Thundercat.

Para Melhor Performance Tradicional de R&B, estão a concurso “Sit On Down” de The Baylor Project com Jean Baylor e Marcus Baylor, “Wonder What She Thinks of Me” de Chloe x Halle, “Let Me Go” de Mykal Kilgore, “Anything For You” de Leidsi e “Distance” de Yebba.

No rap, os homens (de Freddie Gibbs a Nas) predominam

Na categoria de Melhor Álbum Rap, concorrem os discos Black Habits, de D Smoke, Alfredo, de Freddie Gibbs & The Alchemist, A Written Testemony, de Jay Electronica, King’s Disease, de Nas e The Allegory, de Royce Da 5’9. Na edição anterior, foi distinguido o álbum Igor, de Tyler, The Creator.

Já para a categoria Melhor Canção de Rap foram nomeadas “The Bigger Picture”, de Lil Baby, “The Box”, de Roddy Ricch, “Laugh Now, Cry Later”, de Drake & Lil Durke, “Rockstar”, de DaBaby e Rodd Ricch, e “Savage” de Megan Thee Stallion e Beyoncé.

Na categoria Melhor Performance Rap foram nomeadas as canções “Deep Reverence” de Big Sean e Nipsey Hussle, “BOP” de DaBaby, “What’s Poppin” de Jack Harlow, “The Bigger Picture” de DaBaby, “Savage” de Beyoncé e Megan Thee Stallion e “Dior” de Pop Smoke.

Já para Melhor Performance de Rap Melódico foram distinguidos temas de DaBaby com Rodd Ricch, Drake e Lil Durk, Anderson .Paak (“Lockdown”), Roddy Ricch e Travis Scott (“Highest in the Room”).

Na pop, os reis das nomeações são Taylor Swift, Bieber e Harry Styles

Embora muitas das categorias dos Grammy se enquadrem no universo da música popular (há também categorias referentes à música erudita, cujos nomeados pode consultar aqui), os prémios têm algumas categorias que se inserem na canção pop enquanto género estético. Nesse universo, foram nomeados para a categoria de Melhor Álbum Cantado de Pop os discos Changes, de Justin Bieber, Chromatica, de Lady Gaga, Future Nostalgia, de Dua Lipa, Fine Line, de Harry Styles, e Folklore, de Taylor Swift. Há um ano, Billie Eilish preparava-se para vencer esta categoria com o seu álbum de estreia a solo.

Já na categoria Melhor Álbum Cantado de Pop Tradicional — referente a uma fórmula de canção pop mais clássica e adulta — as nomeações recaíram em Blue Umbrella, de (Burt Bacharach &) Daniel Tashian, True Love: A Celebration of Cole Porter, de Harry Connick, Jr., American Standard, de James Taylor, Unfollow the Rules, de Rufus Wainwright e Judy, de Renée Zellweger.

Na categoria Melhor Performance a Solo de Pop foram distinguidas as canções “Yummy”, de Justin Bieber, “Say So”, de Doja Cat, “Everything I Wanted”, de Billie Eilish, “Don’t Start Now”, de Dua Lipa, “Watermelon Sugar”, de Harry Styles, e “Cardigan”, de Taylor Swift.

Por sua vez, na categoria Melhor Performance Pop em Duo ou em Grupo, foram distinguidos os temas “Un Dia (One Day)”, de J. Balvin, Dua Lipa, Bad Bunny e Tainy, “Intentions”, de Justin Bieber com Quavo, “Dynamite”, do grupo BTS, “Rain On Me”, de Lady Gaga e Ariana Grande e “Exile”, de Taylor Swift e Bon Iver.

Bad Bunny entre os destaques da música latina

Na categoria de Melhor Álbum Latino Pop ou Urbano estão nomeados discos de Bad Bunny, Camilo, Kany Garcia, Ricky Martin e Debi Nova.

Os autores nomeados para Melhor Álbum Latino de Rock ou Música Alternativa são Bajofondo, Cami, Cultura Profética, Fito Paez e Lido Pimenta. E as nomeações para Melhor Álbum Tropical Latino distinguiram José Alberto “El Ruiseñor”, Edwin Bonilla, Jorge Celedon & Sergio Luis, Grupo Niche e Victor Manuelle.

Os nomeados do jazz (instrumental e vocal)

Nas nomeações referentes ao universo jazz, os discos nomeados na categoria Melhor Álbum de Jazz Instrumental são On the Tender Spot Of Every Calloused Moment, de Ambrose Akinmusire, Waiting Game, de Terri Lyne Carrington And Social Science, Happening: Live At The Village Vanguard, de Gerald Clayton, Trilogy 2, de Chick Corea, Christian McBride & Brian Blade, e Roundagain, de Redman, Mehldau, McBride e Blade.

Já na categoria de Melhor Álbum de Jazz Vocal foram nomeados discos de Thana Alexa, Kurt Elling e Danilo Pérez, Carmen Lundy, Somi e Frankfurt Radio Big Band e Kenny Washington.

Música de dança: Disclosure e Kaytranada entre os nomeados

No universo da música eletrónica e dançante, os nomeados para Melhor Álbum são Kick I, de Arca, Planet’s Mad, de Baauer, Energy, dos Disclosure, Bubba, de Kaytranada e Good Faith, de Madeon.

Já na categoria Melhor Gravação de Dança, referente a canções ou singles que podem ser instrumentais ou vocais, a solo, de duo, em grupo ou em parceria, foram nomeados os temas “On My Mind”, de Diplo & Sidepiece, “My High”, de Disclosure, Aminé e Slowthai, “The Difference”, de Flume e Toro y Moi, “Both Of Us”, de Jayda G e “10%”, de Kaytranada e Kali Uchis.

Na categoria de Melhores Álbuns de Americana, foram nomeados Old Flowers, de Courtney Marie Andrews, Terms of Surrender, de Hiss Golden Messenger, World On the Ground, de Sarah Jarosz, El Dorado, de Marcus King e Good Souls Better Angels, de Lucinda Williams.

Pode ficar a conhecer a lista completa dos nomeados para todas as categorias dos Grammys aqui.