O Tribunal Judicial da Cidade de Maputo ordenou esta quinta-feira o arresto de bens da livraria centenária Minerva, na baixa da capital moçambicana, disse esta quinta-feira à Lusa fonte ligada à instituição.

A decisão é consequência de uma dívida de quase um milhão de meticais (10 mil euros) que a Minerva tem com um fornecedor e que devia ter sido saldada nos últimos seis meses, o que não aconteceu, indicou a fonte, acrescentando que a situação financeira da livraria “não é nada boa”.

Como resultado, os bens da Minerva foram hoje arrestados, sob olhar de quem passava pelas recém-inauguradas instalações da mais antiga livraria moçambicana, na avenida 25 de Setembro, uma das principais da capital.

As instalações, que congregam uma livraria e um restaurante, foram inauguradas em novembro de 2019 e eram destinadas à venda de livros e material informático, além de propor experiências gastronómicas.

Fundada em 14 de abril de 1908, a Minerva Central, uma empresa do ramo gráfico, livraria, papelaria e informática, é uma referência em Maputo, tendo organizado a sua primeira Feira do Livro em 1935.