Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma hora depois de se reunir na Câmara Municipal do Porto com Tiago Mayan Gonçalves, o candidato à Presidência da República apoiado pela Iniciativa Liberal, Rui Moreira reforçou, mais uma vez, a sua posição critica relativamente à data das próximas eleições. Pediu o adiamento, não foi ouvido, e vê “com muita preocupação” o que vai acontecer nos próximos dias, isto a poucas horas do Governo decretar novas medidas para um confinamento geral.

“Em primeiro lugar aquilo que hoje será anunciado é um confinamento extremamente violento. Não discuto o confinamento, naturalmente, são os especialistas que sabem, mas a verdade é que vai haver imensas pessoas que vão perder definitivamente os seus empregos, os seus negócios, vão ver as suas vidas afetadas, algumas delas irremediavelmente. Ao mesmo tempo, estamos a dizer que daqui a uns dias vai existir um dia em que nada disto é preciso, nada disto é necessário, nada disto faz sentido, porque nesse dia as pessoas vão exercer o seu direito de voto.”

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.