O projeto europeu BlockStart, que pretende apoiar e incentivar a adoção da tecnologia blockchain em vários setores da sociedade, conta com a presença de duas startups portuguesas — Knowtary e Sensefinity —  entre as dez finalistas da segunda etapa do programa.

A Knowtary cria identidades digitais e registos de bens ou de propriedades, de forma a integrá-los em empresas e serviços de notariado, para que todas as transações sejam mais seguras, rastreáveis e confiáveis.

Já a Sensefinity rastreia, através de sensores, bens refrigerados, como medicamentos e vacinas, carne, peixe e lacticínios. Essas informações são registadas em blockchain, um protocolo que atua como fonte fidedigna, para depois serem acessíveis aos interessados. Neste caso são os produtores, distribuidores e consumidores.

Durante os próximos quatro meses, ambas as startups vão desenvolver protótipos dos seus produtos, tendo já garantido um apoio de 15 mil euros cada uma.

À terceira e última fase do BlockStart, a decorrer entre abril e junho, passam apenas cinco das dez startups selecionadas. Estas terão a oportunidade de implementar as soluções em 20 empresas, através de projetos piloto que possam validar a sua capacidade no mercado e até perspetivar futuras colaborações.

O BlockStart é um projeto europeu, liderado pela Bright Pixel em parceria com a comunidade tecnológica F6S e a consultora de inovação CIVITTA, contando com cerca de 800 mil euros para apoiar 60 startups e 60 PMEs que façam uso da tecnologia blockchain.