O colete amarelo lusodescendente Jérôme Rodrigues, que perdeu um olho durante uma manifestação em Paris em janeiro de 2019, considerou esta quinta-feira que acusação dos polícias que o atingiram é “boa novidade” e “um primeiro passo para ter justiça”.

É um primeiro passo para ter justiça, mas ainda é complicado para mim compreender tudo que se passou. Nunca fui confrontado com a Justiça e há palavras muito técnicas. Ao ouvir o meu advogado e pessoas à minha volta, é uma boa novidade e podemos pensar em ter justiça daqui a alguns meses”, disse Jérôme Rodrigues, em declarações à Agência Lusa.

A acusação de dois polícias por violência agravada contra o lusodescendente, após o disparo de uma granada de gás lacrimogéneo foi formalizada em 14 de janeiro e divulgada na quarta-feira pelos meios de comunicação social franceses.

Para este manifestante, que se tornou um símbolo do movimento “coletes amarelos” em França, esta acusação é já um castigo para os dois polícias.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Estas pessoas já estão a ser castigadas porque estão a ser acusadas. Este é um primeiro castigo, estas pessoas vão ter de responder pelo que fizeram nesse dia”, sublinhou.

Ter uma acusação depois de dois anos de investigações, surpreendeu Jérôme Rodrigues que só esperava um resultado “quando o Presidente Macron saísse do poder”.

Com milhares de seguidores nas redes sociais, Jérôme Rodrigues vai tentar agora reunir os vários grupos descontentes em França e formar uma união que se mobilize para as eleições presidenciais de 2022.

Vamos ver se ganhamos este combate de sermos ouvidos. Vamos tentar juntar um pessoal que quer mudar as coisas em França e conseguir uma união entre as pessoas descontentes, porque todos queremos a mesma coisa. E toda a gente quer que este sistema acabe para termos mais justiça social e fiscal”, insistiu.

Jérôme Rodrigues foi ferido na manifestação de 26 de janeiro de 2019, na Praça da Bastilha, durante um protesto dos “coletes amarelos”.

O lusodescendente tornou-se rapidamente um dos principais líderes do movimento e um símbolo contra a violência policial em França.