Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“A investigação iniciou-se pela apreensão da meia tonelada cocaína, mas esse não é o nosso viés, o nosso fim“. Para a Polícia Federal, no caso do jato privado que transportava droga para Portugal e em que viajava João Loureiro, há muito mais a investigar do que aquele voo e “todos são suspeitos”, incluindo a tripulação. Não há exceções, nem uns são menos suspeitos do que outros.

Ao Observador, Elvis Secco, coordenador nacional de repressão às drogas, armas e fações criminosas da Polícia Federal brasileira, explicou que os investigadores estão a tentar determinar a origem da droga apreendida na fuselagem do Dassault Falcon 900 da Omni — terá vindo do Peru, Colômbia ou Bolívia — e clarificou mesmo o porquê de não ter havido detenções nesta fase inicial da investigação: as suspeitas que existem são circunstanciais. Uma das certezas que deixa também é que nem os sócios da empresa brasileira Lopes & Ferreira Assessoria Ltda — que na versão do antigo presidente do Boavista foi quem pagou a viagem — escaparão ao raide dos investigadores que, sabe o Observador, está a merecer a atenção especial das autoridades centrais brasileiras, dado o “modal aéreo” e a quantidade de droga encontrada.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.