Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Uma pessoa quando passa aqui à porta tem ideia de que o restaurante é só esta salinha cá em baixo e não percebe a estrutura do que temos aqui”, diz Pedro Cardoso, responsável principal do mítico Solar dos Presuntos, em Lisboa, num dia em que a tal “salinha”, totalmente forrada com fotografias e “souvenires” de um sem fim de clientes famosos (de David Beckham a Simone de Oliveira), está irreconhecível. É dia 1 de março de 2021 e o restaurante que o seu pai, Evaristo, inaugurou em 1974, está prestes a entrar nuns loucos quatro meses de muita mudança, a primeira delas geográfica.

Apostámos em mudar de sítio. Andámos a ver vários locais e tivemos a sorte do José Eduardo, da Casa do Marquês (no Prior Velho), ceder-nos a sua cozinha brutal, com todas as condições e mais algumas. Abriu-nos o seu espaço para podermos aí sediar o Solar dos Presuntos, durante estes tempos”, conta o empresário. Por outras palavras, Pedro Cardoso explica que durante os próximos meses o seu serviço de entrega ao domicílio e take-away vai continuar a funcionar totalmente, a partir dessa localização, apesar do Solar original, aquele onde chegou a viver com os país e a irmã durante vários anos, fechar para reabrir mais tarde totalmente modificado.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.