Cem anos de prisão. Se for condenado por todos os crimes de que é acusado, John McAfee, milionário e criador do antivírus com o seu nome, arrisca passar o resto da vida na cadeia. É, aliás, numa prisão espanhola que o norte-americano, nascido em Inglaterra há 75 anos, se encontra. Detido a 6 de outubro, por fraude e evasão fiscal, McAfee aguarda numa cadeia perto de Barcelona a extradição para os Estados Unidos. Pelo caminho, os seus problemas pioraram: esta sexta-feira foi acusado de novos crimes envolvendo criptomoedas, os mesmos que o podem condenar a um século de prisão efetiva, segundo as contas da CNN.

Desta vez — depois de um longo rol de problemas com a justiça — McAfee e Jimmy Gale Watson, um membro da sua equipa de criptomoedas, são acusados de dois crimes diferentes. O primeiro é um esquema conhecido como pump and dump: McAfee e Watson compravam um grande número de criptomoedas a preços baixos. Em seguida, através da conta do Twitter, recomendavam a sua compra, mas sem revelar que as tinham comprado.

Criador do famoso antivírus McAfee detido em Espanha

Assim que a compra das criptomoedas aumentava, o seu valor subia, e McAfee e Watson vendiam-nas por preços mais elevados. “Com esse esquema, McAfee e outros membros da equipa ganharam mais de 2 milhões de dólares em lucros ilícitos”, lê-se no comunicado do procurador dos EUA Audrey Strauss, responsável pela acusação do milionário.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No segundo esquema, a conta de Twitter era também usada para promover criptomoedas, mas sem que McAfee e a sua equipe revelassem que estavam a ser pagos para o fazer — algo que a Comissão de Valores Mobiliários (SEC) dos EUA exige. Com esta jogada, McAfee e colaboradores ganharam cerca de 11 milhões de dólares.

Foi no Twitter, que McAfee mantém ativo apesar de se encontrar na cadeia, que o milionário reagiu este sábado, negando as acusações. “A minha equipe avaliou cada promoção com base na gestão, planos de negócios e potencial. Ninguém poderia ter previsto a quebra do mercado de altcoin. Nós fomos pagos com as mesmas moedas que desvalorizaram. As alegações da SEC são exageradas”, escreve John McAfee, que diz, num segundo tweet, nunca ter vendido uma única moeda.

Uma vida atribulada

John McAfee está atualmente detido, numa cadeia espanhola, acusado de, entre outros crimes, fugir ao pagamento de milhões de dólares em impostos. Em outubro passado, quando se preparava para apanhar um voo para Istambul, Turquia, foi detido pela polícia espanhola, que dava seguimento a um mandado de procura e detenção emitido pela justiça norte-americana.

O seu primeiro problema com a lei aconteceu em 2012, quando o milionário esteve desaparecido, depois de fugir da sua casa do Belize. A polícia queria interrogá-lo por alegado envolvimento na morte do seu vizinho, e McAfee viria mais tarde a dizer que fugiu por temer pela própria vida. E, claro, negou as acusações.

Mais tarde, em 2019, foi detido num porto da República Dominicana com várias armas a bordo do seu iate. Acabaria por ser libertado, viajando para Inglaterra.