Coleção Primavera-Verão

Em dez lojas tradicionais da Baixa-Chiado, em Lisboa, e até dia 15 de maio

Para juntar compras e arte no mesmo programa: a Câmara Municipal de Lisboa e a EGEAC desafiaram uma dezena de artistas plásticos a exporem os seus trabalhos nas montras de dez lojas emblemáticas da baixa lisboeta. O programa — intitulado “Coleção Primavera-Verão” — vai estar a colorir aquela zona da cidade durante um mês e convoca nomes como Fernanda Fragateiro, João Paulo Feliciano, Bárbara Assis Pacheco e MaisMenos, entre muitos outros, numa seleção também marcada pela intergeracionalidade dos autores, além da diversidade de manifestações artísticas. Quando às galerias improvisadas, o roteiro vai da Livraria Ferin à Manteigaria Silva, passando também pela Chapelaria Azevedo Rua e pela Casa Macário.

© José Frade

Orquestra Metropolitana de Lisboa

Concerto transmitido online, sábado, às 12h

Para assistir a um concerto à distância: a sexta edição da Lisbonweek tem encerramento marcado para sábado, com um concerto muito especial. A partir da Igreja de São Pedro de Alcântara, a Orquestra Metropolitana de Lisboa, dirigida por Nuno Inácio, apresenta “A Baixela Germain de Dom José”, um espetáculo que junta música clássica portuguesa e francesa do século XVIII. A transmissão será feita em direto, no canal de YouTube do evento.

© Marcelo Albuquerque

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Reabertura do Zoo da Maia

Rua da Estação, Maia. De segunda a sexta-feira, das 10h às 19h, e sábado e domingo, das 10h às 13h

Para um passeio em família: está oficialmente reaberto o espaço que tanto faz vibrar os mais pequenos. O Zoo da Maia volta a ter as portas abertas, ainda que com medidas de segurança reforçadas, nomeadamente o uso obrigatório de máscara no interior do recinto. Atrações como o reptilário e a demonstração de voo livre também já estão a funcionar. Uma das novidades é a criação de um bilhete familiar que custa 22,50 euros — inclui a entrada de dois adultos e duas crianças.

© Divulgação

Entretecido

Pavilhão Branco, Campo Grande, 245, Lisboa. De terça a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 18h, e sábado e domingo, das 10h às 13h

Para descobrir uma das galerias mais bonitas de Lisboa: a apropriação de têxteis por parte de artistas e designers serviu de pretexto para reabrir as portas do Pavilhão Branco à cidade. “Entretecido” reúne trabalhos que vão da performance ao filme, passando pela fotografia, e ainda com exemplos de uso de têxteis em áreas como a arquitetura e a moda. Com curadoria de Tobi Maier, a exposição conta com nomes como Paula Rego e Almada Negreiros, entre muitos outros.

© Ben Van Meter

Rooftop Flores

Rua da Vitória, 117, Porto. De segunda a sexta-feira, das 10h às 22h, e sábado e domingo, das 10h às 13h

Para descobrir novas vistas sobre o Porto: o Museu e a Igreja da Misericórdia guardam o segredo e, para descobri-lo, é preciso subir até ao último piso. La, encontra um jardim secreto com vista para a Sé e onde acaba de abrir uma esplanada. O Rooftop Flores é a nova atração da invicta, mesmo a tempo do desconfinamento ansiado por tantos. O cenário ideal para uma sangria de vinho do Porto, entre outras sugestões, a acompanhar uma tábua de queijos, ao final da tarde. Simultaneamente, o museu inaugura a exposição “Alberto Giacometti – Peter Lindbergh. Capturar o Invisível”, com imagens das esculturas do escultor suíço e retratos emblemáticos do famoso fotógrafo de moda.

© André Rodrigues

Borogodó

Lx Factory, Lisboa. De segunda a sexta-feira, das 12h às 22h, e sábado e domingo, das 10h às 13h

Para adoçar (ainda mais) a boca aos lisboetas: esta espécie de petiscaria de influência brasileira mudou-se do Príncipe Real para Alcântara e ocupa agora o espaço do antigo Café na Fábrica. Entre as especialidades da carta estão a farinha de mandioca, os pastéis de bacalhau, o escondidinho de carne seca e cogumelos, mas também pratos mais substanciais, como o hambúrguer de picanha, o polvo no forno ou a açorda de camarão. Ao fim de semana, serve-se o brunch e há ainda um bar de cocktails, já a pensar nas tardes e noites quentes de verão.

© Divulgação

The Air Conditioned Nightmare

Galeria Uma Lulik, Rua do Centro Cultural, 15, porta 2, Lisboa. De quarta a sexta-feira, das 14h às 19h30, e sábado, das 10h às 13h

Para retomar o velho hábito de entrar numa galeria: o artista Diogo Bolota estreia-se com a sua primeira exposição a solo, no bairro de Alvalade. “The Air Conditioned Nightmare” é uma instalação inquietante composta por oito esculturas, cujos títulos são excertos do livro de Henry Miller, publicado em 1945, com o mesmo nome. A entrada é gratuita e a exposição pode ser visitada até 22 de maio.

© Bruno Lopes

Crescem que nem cogumelos…

Museu Bordalo Pinheiro, Campo Grande, 382, Lisboa. Domingo, das 10h às 13h (via Zoom)

Para explorar novas potencialidades dos fungos: o museu organiza um laboratório de ilustração online com Teodora Boneva, uma especialista em ilustração científica. Uma sessão virtual destinada a adultos e jovens a partir dos 16 anos, que partirá não de exemplares no seu estado natural, mas do vasto espólio bordaliano. Para esta aula à distância, apenas é preciso levar papel de desenho, lápis HB e régua. Aguerla e pincéis são opcionais. A inscrição custa cinco euros.

© Divulgação

“Nunca mais é sábado” é uma rubrica que reúne as melhores sugestões para aproveitar o fim de semana.