Um tribunal de Londres, no Reino Unido, declarou que João Vale e Azevedo está exonerado de insolvência, o que, na prática, significa que a justiça britânica perdoa 60 milhões de euros ao antigo presidente do Benfica.

A notícia foi avançada na passada sexta-feira pela TVI e faz manchete este domingo no Correio da Manhã, que falou com um dos advogados que representa várias das dezenas de vítimas de burla de Vale e Azevedo.

“Ele [Vale e Azevedo] soube trabalhar com os dois regimes jurídicos [de Portugal e Reino Unido]. E assim fica livre das dívidas que tinham sido declaradas no processo de insolvência, pois os bens que tivesse cá seriam interligados ao processo inglês”, afirmou o advogado António Pragal Colaço.

Apartamento de luxo e carro de 100 mil euros. A vida de Vale e Azevedo em Londres

De acordo com o mesmo jornal, a decisão do tribunal de Londres, onde corria o processo principal, tem efeitos no processo secundário que decorria no tribunal de Sintra. A decisão da justiça britânica já foi comunicada aos credores.

Dos 60 milhões de dívidas do antigo presidente do Benfica, cerca de 15 milhões de euros foram desviados do clube da Luz, na sequência da transferência de jogadores e da venda de terrenos.

Tribunal declara prescrição de processo contra Vale e Azevedo. Desvio de fundos do Benfica ficam sem punição

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Com a decisão da justiça britânica, são restituídos todos os direitos a Vale e Azevedo no Reino Unido, com o ex-presidente do Benfica a poder voltar a comprar imóveis ou outros bens sem que os mesmos sejam executados pelas autoridades.

Vale a Azevedo foi detido em Inglaterra em 2012 e cumpriu uma sentença de três anos e sete meses de prisão na Carregueira. Foi libertado em junho, e em setembro de 2018, após mandado de detenção, fugiu para Londres, onde vive atualmente.