Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Rochele Nunes faz uma aposta forte estes anos e os resultados tinham aparecido até este Europeu na Altice Arena, dando prolongamento à medalha de bronze conseguida no Campeonato da Europa de 2020 em Praga com as duas primeiras presenças da carreira em finais do Grand Slam em meses consecutivos, em Telavive onde só perdeu com a francesa campeã europeia em título Romane Dicko (fevereiro) e em Tbilissi, onde só caiu com a surpreendente chinesa Shiyan Xu (março). Seguia-se a possibilidade de ir mais alto em termos continentais.

Com Dicko de fora, todas as pools iniciais tinham uma favorita teoricamente mais assumida entre a azeri Iryna Kindzerska (segunda no ranking de +78kg), a turca Kayra Sahit (sexta) e a bielorrussa Maryna Slutskaya (nona, embora pudesse cruzar com a ucraniana Yelyzaveta Kalanina, medalha de bronze em 2020). Depois, na poule B, Rochele Nunes, 11.ª da hierarquia mundial, iria começar a prova com a vencedora do combate entre a alemã Renee Lucht e a ucraniana Ruslana Bulavina, podendo depois ter pela frente a bósnia Larisa Ceric (12.ª), que foi três vezes finalista em Europeus entre 2014 e 2019 e ganhou o bronze no Mundial de 2018.

Foi mesmo isso que aconteceu: Rochele Nunes começou por vencer Renee Lucht (39.ª) por terceira penalização à germânica e bateu depois por ippon Larisa Ceric, perdendo depois por ippon com a francesa Lea Fontaine (50.ª), a grande revelação da prova. No combate de atribuição da medalha de bronze, a luso-brasileiro encontrou pela frente a ucraniana Yelyzaveta Kalanina (14.ª) e demorou menos de um minuto a conquistar novo pódio.

Em atualização

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR