Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Novos menus Dr. Benard

Dr. Benard. Praia do CDS – Apoio 11, Costa da Caparica. Domingo a sexta 10h às 21h, sábados 10h às 22h

Para passar para o outro lado: vale a viagem e o possível trânsito que apanhar na ponte. O espaço do Dr. Benard, na Costa da Caparica, é um verdadeiro complexo de bem-estar com um restaurante dentro e, no tempo em que esteve fechado devido à pandemia, pensou em novidades fresquinhas para o arranque das estações quentes. No menu foram reforçados os ingredientes e bebidas orgânicas de origem local, vinhos e chás biológicos e até um juice bar.  A carta servida entre as 13h e as 22h apresenta agora pratos Tex Mex com ingredientes portugueses, como é o caso dos tacos de choco frito, amêijoas com tequila ou mousse de chocolate com chipotle. Também o pequeno-almoço tem tendências mexicanas com um breakfast burrito ou uma breakfast burrito bowl. Aos sábados e domingos é dia de brunch (10h-16h; 15€), com dois pratos distintos e bebidas. Outra das novidades do espaço da praia é o bar de sumos naturais onde só entram produtos naturais e orgânicos, para beber no local ou em regime take-away.

BreakfastBurritoBowl ©DR

Exposição “A Tribute To Women. Artists in The São Roque Collection”

Galeria de São Roque. Rua de São Bento, 199B, São Bento. Seg-Sex 09h30 às 20h, Sáb 10h às 20h. Entrada gratuita

Para celebrar a mulher: Paula Rego, Helena Almeida, Sara Affonso, Maria Helena Vieira da Silva, Ana Jotta, Maria Keil ou Graça Morais são alguns dos nomes sonantes da arte portuguesa no feminino e que compõem a nova exposição da Galeria de São Roque, em Lisboa. A mostra  “A Tribute To Women. Artists in The São Roque Collection” faz-se com 91 obras de 40 artistas portuguesas de várias gerações funcionando como uma homenagem às mulheres, como uma forma de “colmatar definitivamente a disparidade de género na arte, lutando contra a discriminação de que as artistas têm vindo a ser alvo ao longo do tempo”, como explicou em comunicado o galerista Mário Roque. A escolha das artistas incidiu, maioritariamente, nas artistas que estão representadas no espólio atual da São Roque ou que, nalgum momento, fizeram parte da sua coleção.

Paula Rego é uma das artistas da exposição

Claus Porto

Claus Porto. Rua do Carmo, 82, Baixa. Seg-Dom 10h às 20h.

Para cheirar bem e a Lisboa: a histórica casa portuense conhecida pelos seus sabonetes e fragrâncias tem uma nova casa na Baixa de Lisboa, em plena Rua do Carmo, ocupando agora a mítica morada da Livraria Aillaud & Lellos, uma Loja Com História que encerrou no final de 2017, devolvendo o espaço à cidade. O projeto foi entregue ao gabinete Nuno Nascimento Arquitetos que redesenhou a loja, datada dos anos 30 e com assinatura do engenheiro António José Ávila do Amaral, colaborador de Cassiano Branco, juntamente com a diretora criativa da marca Anne Margreet Honing. A fachada em mármore mantém-se intacta e dentro da estética Art Déco, agora com um letreiro que grita Claus Porto e sabonetes gigantes na montra, que convidam quem passa a entrar e conhecer as gamas da marca com mais de 130 anos. O móvel central da loja guarda as fragrâncias da perfumista britânica Lyn Harris e dão o mote para explorar o resto das prateleiras em redor, cobertas de sabonetes das coleções Deco e Classico. A loja conta ainda com uma zona dedicada ao grooming, onde se destaca a coleção Musgo Real, e uma sala com um lavatório monumental em mármore onde estão também dispostos os difusores e produtos de corpo e banho.

A nova loja recupera o mobiliário da antiga livraria ©Francisco Nogueira

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Festival Internacional 5L

Vários locais de Lisboa. Até 9 de maio

Para descobrir a literatura: o primeiro festival literário de Lisboa, o Festival Internacional de Literatura e Língua Portuguesa — Lisboa 5L, decorre até 9 de maio em vários locais da cidade, desde teatros, cinema, livrarias, ruas, largos e praças da cidade. O evento, com direção artística de José Pinho, criador do Folio, reúne mais de 70 autores de oito países, numa homenagem à língua portuguesa, cujo Dia Mundial se celebra a 5 de maio. O programa é vasto e divide-se entre debates, concertos, cinema, itinerários literários, mesas de autor, performances e exposições. No sábado, 8, está previsto um passeio literário pela Lisboa de Ricardo Reis segundo o livro de José Saramago, e mais tarde, no mesmo dia, há ainda uma conversa sobre poesia e como este género pode representar um instrumento de consciência sobre a sociedade. No domingo, dia 9, é de deitar o olho (e os ouvidos) ao debate “Páginas da cidade. Lisboa e seus escritores”, que discute a forma como Lisboa e a sua história influencia o trabalho de alguns autores. A programação do festival pode ser consultada aqui.

EMUA – Ephemeral Museum of Urban Art)

LxFactory. Rua Rodrigues Faria, 103, Alcântara. Quarta a domingo 11h às 19h. 7 euros por pessoa

Para mergulhar na arte urbana: são quatro salas de exposição ocupadas com mais de uma centena de obras assinadas por 40 artistas – é disto que se faz o EMUA (Ephemeral Museum of Urban Art), o primeiro museu efémero de arte urbana que terá casa durante três meses na Lx Factory. Abriu no dia 5 de maio e por lá fica até 27 de julho, marcando o encerramento da 6.ª edição da LisbonWeek, este ano dedicada ao bairro de Alcântara. O museu percorre as várias fases da história da arte urbana ao longo das quatro salas com trabalhos de Banksy, Invader, Vhils, André Saraiva, Os Gêmeos, Felipe Pantone, Futura 2000, Bordalo ll, Finok ou Jason Revok. Durante o período de exposição, estão planeados alguns momentos de envolvimento dos artistas com o público através de workshops e atividades para adultos e crianças. Existe também uma loja, como em todos os museus, com serigrafias, peças de streetwear e vários objetos e obras ligados à corrente artística da arte urbana.

Uma das obras de Martha Cooper patentes na exposição

Peça de teatro “Artaud”

Transmissão online. 2 euros

Para alimentar a cultura em casa: o regresso aos teatros já se deu em meados de abril, mas com lotações limitadas, razão que leva os teatros e companhias a manterem algumas peças com transmissão online. É o caso de “Artaud”, com encenação do argentino Sergio Boris, construído a partir das cartas de Artaud ao seu psiquiatra e que está agora disponível no palco online do Teatro Nacional São João. O espetáculo, que questiona os meandros da loucura e da liberdade, integra a programação do FITEI – Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (que decorre até 16 de maio) e está disponível das 21h de dia 8 de maio até à mesma hora de dia 10 de maio.

“Artaud”, com encenação Sergio Boris, ocupa a sala digital do TNSJ

Visitas às caves

Cave Graham’s, Vila Nova de Gaia; Quinta do Bonfim, Alijó. Segunda a sexta 09h30 às 19h30. Marcação grahams@grahamsportlodge.com e quintadobomfim@symington.com

Para conhecer o caminho do vinho: a pouco e pouco a oferta cultural vai sendo reposta e vai sendo possível cirandar pelas cidades e bater à porta de locais icónicos. É o caso dos centros de enoturismo da Symington Family Estate, as Caves Graham’s e a Quinta do Bomfim, que trazem de volta as provas e as visitas guiadas, que serão gratuitas nas manhãs de domingo. Esta oferta pode ser ainda complementada pelos programas de cada um dos espaços. No caso da Graham’s vale a visita ao restaurante Vinum – Restaurant Wine Bar, que apresenta um menu que viaja pela gastronomia do Douro, de Trás-os-Montes, do Minho e do Atlântico. Já no Bonfim, à visita domingueira podem juntar-se uma prova de vinhos ou um passeio pela vinha, onde os visitantes podem escolher os trilhos pedonais mediante o seu grau de dificuldade.

Caves Graham’s

Novo troço na ecovia do Vez

Arcos de Valdevez

Para dar corda aos sapatos: há um novo troço de passadiços que leva agora os visitantes numa viagem entre as lagoas do rio Vez. A obra, inaugurada há duas semanas, veio consolidar a rede com já mais de 300 km de percursos em Arcos de Valdevez criando uma ligação de um troço de ecovia que fica entre o Poço das Caldeiras, freguesia de Loureda, e S. Sebastião, freguesia de Cabreiro. O novo trajeto desenvolve-se de forma contínua ao longo do rio e em passadiços, sempre com o som da água a correr como fundo. Quando a temperatura subir (ou mesmo para os mais corajosos) vai ser possível dar uns mergulhos ao longo do percurso.

O novo troço da ecovia de Loureda/Cabreiro

Casa de Pasto da Palmeira

Rua do Passeio Alegre, 450, Porto. Tel.: 22 616 8244. Horário: Segunda a domingo, das 12h às 22h30

Para petiscar com vista para o Douro: é um dos clássicos para comer à beira-rio e raramente desilude, com a chegada dos dias maiores e mais quentes torna-se um spot ainda mais irresistível. Rei nos pratos para partilhar e no vinho a copo, a Casa de Pasto da Palmeira acaba de renovar a sua carta, assinada, mais uma vez, pelo chef João Pupo Lameiras. Dela saltam à vista o bife de atum fresco com salada de feijão branco, o cevadotto de tomates frescos, secos e assados, a sopa fria  (ou quente) de alho francês com mexilhão fumado e, nos doces, a terrina de suspiro com morangos e ovos moles ou a mousse de chocolate e gelado de flor de sal. Além das novidades da nova carta, conte também agora com um menu de brunch ao fim de semana, onde constam tostas de espargos com ovos escalfados e molho holandês, linguiça do Bolhão em pão torrado ou rabanada de morangos, crème fraîche e mel.

Sopa de alho francês e raíz de mexilhão

Festival Internacional de Teatro e Expressão Ibérica

Teatro Municipal do Porto – Rivoli, Rua do Bonjardim, 143, Porto. Tel.: 22 339 2200. Horário: sexta, 19h30; sábado, 11h. Preço: 9€

Para ver marionetas a ganharem vida em palco: inserido no FITEI – Festival Internacional de Teatro e Expressão Ibérica, que se prolonga até dia 16 de maio, nesta cocriação entre o Teatro de Ferro e o Teatro de Marionetas do Porto, as companhias portuenses laboraram em conjunto para construir uma máquina do tempo, numa tentativa de ressuscitar o poeta e dramaturgo russo Vladimir Maiakovski algures numa linha temporal alternativa. Através de uma ficção, habitada por atores e marionetas, são explorados alguns objetos do seu complexo universo: imagens, poemas e fragmentos de peças da sua máquina-do-teatro. “Artefactos em que descobrimos alguns traços inconfundíveis deste autor: a rutura deliberada com as estruturas tradicionais e o diálogo sistemático entre o ativismo político, o desejo amoroso, o trabalho da poesia e uma espécie de troca de correspondência constante com o futuro.”

Uma viagem ao imaginário do poeta e dramaturgo russo Vladimir Maiakovski

Lucrécia di Portarossa

Rua de Côrte Real, 289, Porto. Tel.: 22 617 5288. Horário: terça, das 19h30 às 22h30; quarta a domingo, das 12h30 às 15h30 e das 19h30 às 22h30

Para sentir Itália no palato: dono de um verdadeiro quarteirão gastronómico na Foz do Douro, Vasco Mourão é a cara de moradas como o tradicional Cafeína, o oriental Terra, a descontraída Casa Vasco e o italiano Portarossa. Em outubro, em entrevista ao Observador, relevou que nem a pandemia o iria impedir de abrir portas a um sonho antigo: aumentar a oferta italiana nas redondezas. Assim nasce o Lucrécia di Portarossa, irmão mais novo e vizinho do Portarossa, onde é possível encontrar pastas recheadas artesanais, um mozzarella bar, com queijos e charcutaria italiana de pequenos produtores, e as já famosas pizzas feitas em forno a lenha. Seja dentro de portas ou na esplanada, não se esqueça de pedir também o “il nostro brodo di lavagante” com tortellonis nero de camarão ou o ossobuco com gnocchis al burro. Para rematar a refeição, experimente a pera al limoncello com ricotta, mel e favo de caramelo ou o clássico tiramissû com creme de pistacchio.

Pomodoro Queen: sorrentino de mozzarella e tomate seco al pomodoro com coração de burrata

Flea Market

Praça da República, Porto. Sábado, das 14h às 19h. Tel.: 93 443 4879

Para umas compras ao ar livre: depois de uma paragem forçada devido à pandemia, a Feira da Pulga regressa à Praça da República para a compra, venda e troca da mais fina tralha portuense, da roupa a peças de decoração. O Flea Market cumpre este mês 12 anos de vida, motivo mais do que suficiente para dar lá um salto e ver as novidades a céu aberto. “Todas as medidas foram consideradas tendo em conta o guia de boas práticas elaborado em parceria com todas as feiras e mercados da cidade do Porto de forma a que todos os participantes possam usufruir em segurança dos mercados urbanos da invicta”, garante a organização. O mercado é uma iniciativa original de Barcelona e representada em Portugal pela S.P.O.T. – Sociedade Portuense, Outras Tendências.

Os mercado de rua voltaram a ser autorizados no Porto, o Flea Market regressa este sábado

“Nunca mais é sábado” é uma rubrica que reúne as melhores sugestões para aproveitar o fim de semana.