Muitos pontos, grandes jogadas, alternâncias no marcador nos últimos minutos, decisões no final. O primeiro dérbi entre Sporting e Benfica nas meias-finais da Liga de basquetebol, que terminou com o triunfo dos leões por 92-86, trouxe um dos melhores jogos da época em termos nacionais mas mereceu análises e comentários diferentes por parte dos treinadores, com a questão de arbitragem a ser também colocada na equação pelo técnico dos encarnados, Carlos Lisboa, confrontado com nova perda de uma vantagem de 13 pontos.

Sporting consegue grande recuperação, vence dérbi com Benfica e parte em vantagem nas meias do Campeonato

“Vocês não viram o que se passou? Acho que vocês também viram, acho que independentemente dos nossos erros também viram porque é que fizemos tantos erros. Ok? Até logo… Não, não me quero alongar mais. E não, não vou concretizar nada”, atirou após o encontro, visivelmente agastado com o que se passou no quarto e decisivo período em que o Sporting conseguiu recuperar em definitivo e ganhar nos três minutos finais.

Apesar da irregularidade apresentada em alguns momentos da temporada, e das três derrotas noutros tantos dérbis contra o Sporting em 2020/21, o treinador das águias, que foi o melhor jogador português de sempre, tinha a perceção de que a resposta da equipa, mesmo perdendo, colocara o Benfica na discussão da eliminatória com argumentos para bater o pé aos leões, a equipa com mais vitórias na fase regular. E era por isso que este jogo 2 ganhava um especial peso, pelos dois cenários possíveis de praticamente fechar as contas para os verde e brancos ou reabrir por completo a eliminatória para os próximos encontros que se vão realizar na Luz.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No final, imperou a primeira hipótese acabou por imperar, com o Sporting a conseguir a quarta vitória noutros tantos dérbis esta temporada e com um filme de jogo com muitas semelhanças ao jogo 1 das meias-finais, com o Benfica a liderar o marcador durante grande parte do encontro até à reação verde e branca no último período que colocou a formação de Luís Magalhães apenas a um triunfo da final da Liga de basquetebol (83-75). Travante Williams, com 21 pontos, seis ressaltos, seis assistências, dois roubos e dois desarmes, acabou como MVP.

Os encarnados voltaram a entrar melhor no jogo, colocaram grandes dificuldades em termos ofensivos aos leões que demoraram quase três minutos até fazerem os primeiros pontos e chegaram mesmo na frente ao final do primeiro período, numa vantagem de cinco pontos (23-18) que premiava sobretudo o melhor jogo coletivo da formação visitante. Essa continuou a ser a principal característica até ao intervalo mas com uma reação do Sporting nos instantes finais que permitiu reduzir a distância para apenas um ponto (42-41) depois de ter estado a perder por sete pontos em cinco ocasiões distintas do segundo quarto (18-25, 21-28, 25-32, 28-35 e 33-40).

Com o Benfica quase sempre na frente do marcador, o terceiro período não teve nenhuma equipa a disparar no resultado e tudo ficaria mais uma vez para ser definido no quarto e último período, que começou com dois triplos de Diogo Araújo que tiveram o condão não só de empatarem o jogo (65-65) mas também colocaram uma maior pressão sobre os encarnados sobretudo nas ações ofensivas, com mais falhas e uma pior percentagem de lançamento que possibilitou que a experiência de jogadores como Travante Williams e James Ellisor viesse ao de cima para confirmar mais uma vitória dos leões, desta vez com o resultado de 83-75.