Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ainda vai ser preciso esperar uns dias até que o primeiro modelo 100% eléctrico com a insígnia Cupra seja revelado por completo, algo que está agendado para 25 de Maio. Até lá, a marca desportiva da Seat vai avançando alguns detalhes acerca do hatchback assente na plataforma MEB da Volkswagen. Num vídeo à laia de teaser, o director de Design do construtor espanhol, Jorge Diez, aponta cinco elementos distintivos do novo modelo, com isso procurando enfatizar o caminho seguido pela marca para alcançar uma maior diferenciação face ao mano ID.3.

Com o Born, o desafio estilístico assentou essencialmente em explorar uma base comum para oferecer um produto diferente, mais virado para as emoções ao volante. As extremidades curtas e a generosa distância entre eixos, possibilitadas por uma arquitectura projectada de raiz para maximizar o espaço interior, facilitaram a tarefa dos designers e, segundo Diez, o resultado final vai compatibilizar um “habitáculo muito espaço, com total enfoque nos ocupantes” e um aspecto exterior fortemente desportivo.

O designer não tem dúvidas de que “quando as pessoas virem o Cupra Born na rua, vão querer conduzi-lo” e sustenta essa certeza no facto de o modelo que está prestes a ser revelado usufruir de linhas que a marca diz não terem precedentes, remetendo especificamente para a traseira. “Com uma assinatura de luz horizontal enfatizamos a largura do automóvel, combinada com um difusor muito forte, o que aumenta a sua eficiência e aerodinâmica. Sabemos que a electrificação tem de andar de mãos dadas com a eficiência e a equipa combinou as duas de uma forma perfeita”, defende o designer da Cupra.

O Cupra Born vai ser “totalmente focado no prazer de condução”, assegura o director de Design da Cupra, Jorge Diez

O perfil foi igualmente trabalhado para convocar o conceito de performance, refere Jorge Diez, exemplificando essa directiva com “formas angulares na linha dos ombros” e “gráficos da janela esticados para uma maior sensação de tensão e velocidade”. À frente, a proeminente entrada de ar localizada na parte inferior do veículo, para colá-lo ao asfalto, contribui para acentuar a vocação desportiva.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O designer destaca ainda os faróis como um traço marcante do “carácter Cupra”, realçando que a forma como surgem posicionados, um pouco mais inclinados do que é habitual, pretende incutir ao conjunto uma imagem de resolução. “Essa determinação de saber o que queremos e de ir em frente”, explica.

Quanto ao interior, sendo este um eléctrico que pretende provar que os automóveis a bateria “não têm de ser aborrecidos” e proporcionar diversão ao volante, há que esperar “um ambiente totalmente focado no prazer de condução”, com recurso a materiais e texturas novos e, claro, diferentes apontamentos cor de cobre, como é característico na marca.

Como já aqui noticiámos, o Cupra Born tem vindo a ser testado para garantir que, mesmo nas condições mais extremas, será eficaz em qualquer tipo de piso e oferecerá uma dinâmica de condução à altura do carácter emocional que a marca quer ver reconhecido aos seus modelos. Resta aguardar mais uns dias, para desvendarmos por completo quais os trunfos que a Cupra tem na manga.