Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Emocionante. Eletrizante. Imprevisível. A última jornada da Liga espanhola iria desfazer as dúvidas sobre uma luta que no início parecia não existir, depois tornou-se a quatro e por fim ficou resumida aos rivais de Madrid, Atlético e Real. Com caminhos distintos, com perspetivas diferentes a breve prazo até no comando técnico, com um ponto visivelmente em comum entre traçados opostos: o principal goleador e o relevo do título em 2021.

João Félix entra para assistir, Suárez volta a aparecer e Atl. Madrid sofre mas está a uma vitória do título

O Atl. Madrid, que defrontava este sábado o Valladolid fora com as autoridades a sinalizarem a partida como de alto risco perante a mais do que provável enchente de adeptos colchoneros, teve um arranque irrepreensível de Campeonato, chegou a liderar com mais de dez pontos de vantagem mas depois tremeu. Tremeu porque perdeu alguns jogadores habitualmente titulares por lesão (e aqui se inclui a Covid-19) e castigo, tremeu porque se foi descaracterizando na tentativa de defender resultados, tremeu porque Luis Suárez não esteve tão letal como é habitual. No entanto, e na hora da verdade, o uruguaio que foi dispensado do Barcelona por telefone e através do próprio treinador Ronald Koeman voltou a aparecer e decidiu a vitória frente ao Osasuna a dois minutos do fim, já depois de uma grande assistência de João Félix para o empate de Lodi. Hoje, Suárez poderia assumir o papel de herói da Liga, ao trocar um potencial campeão por um adiado campeão que mostrou o seu potencial.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já o Real Madrid, que recebia ainda em Valdebebas o Villarreal (numa fase em que a profunda remodelação do Santiago Bernabéu já começa a ter outra imagem), tinha uma última oportunidade para ser feliz numa época em que fez muito para não o ser, entre um mau arranque de temporada, um período de melhoria que nem por isso valeu para que conquistasse algum dos troféus que disputou, uma eliminação nas meias da Champions contra a equipa que no plano teórico seria a menos complicada entre as muitas dificuldades e mais uns empates na fase do calendário em que não podia perder pontos. A saída de Zidane no final da temporada parece algo inevitável mas, no meio da turbulência que também essas notícias criaram, surgiu Benzema, que poderia assumir o papel de herói da Liga na época em que assumiu ainda maior protagonismo e vai voltar à seleção no Europeu.

No final, imperou a lógica com a vitória do Atl. Madrid e imperou a lógica com mais um golo de Luis Suárez, o maior erro de gestão possível do Barcelona na presente temporada. Sete anos depois, a Fonte Neptuno recebeu os adeptos colchoneros para a conquista do 11.º Campeonato, apenas o segundo este século. E João Félix, que voltou a ser suplente utilizado na segunda parte, ganhou o primeiro troféu em Espanha antes do Europeu.

15′, Atl. Madrid campeão. Os colchoneros até entraram melhor com algumas boas aproximações mas foi a formação do Valladolid que teve a primeira oportunidade da partida, com Toni Villa a obrigar Oblak a superar a barreira das 100 defesas na Liga. Em Valdebebas, o Real sentia dificuldades em chegar ao último terço contrário e Éder Militão teve mesmo um corte providencial numa bola em profundidade para Carlos Bacca.

18′, Atl. Madrid campeão. Golpe de teatro em Valladolid, com a equipa da casa a marcar o primeiro golo do jogo num lance que começou num canto do Atl. Madrid, teve depois uma boa triangulação antes de colocar a bola na profundidade, Yannick Carrasco tentou o corte na “queima” e Óscar Plano, isolado, fez o 1-0. Desta forma, e com um golo do Real, o Atl. Madrid ficaria automaticamente em segundo e a ter de marcar dois golos.

20′, Atl. Madrid campeão. Golo do Valladolid, golo do Villarreal: Gerard conseguiu ganhar uma bola no meio-campo contrário pelo corredor central, passou para Bacca, o colombiano não conseguiu controlar da melhor forma e Yeremi Pino não perdeu a oportunidade para inaugurar o marcador em Valdebebas. Atl. Madrid voltava a ter dois pontos de vantagem na liderança virtual, mantendo a vantagem de dois pontos na decisão final.

30′, Atl. Madrid campeão. Os dois candidatos estavam a perder e procuravam golos que poderiam mudar num ápice a classificados. Luis Suárez teve uma oportunidade para empatar mas a defesa do Valladolid voltou a ser mais forte, jogadores do Real ficaram a pedir um penálti por corte com o braço na área de Parejo que não foi considerado. Colchoneros continuavam com dois pontos de vantagem sobre o rival da capital espanhola.

45′, Atl. Madrid campeão. O intervalo chegava com os dois concorrentes em desvantagem no marcador e com fases diferentes no jogo: enquanto o Atl. Madrid tentava forçar o ataque sem criar oportunidades mas deixava muitos espaços para as saídas rápidas do Valladolid, o Real teve um remate perigoso às malhas laterais por Modric, uma outra tentativa por cima de Benzema e um cabeceamento de Casemiro à figura do guarda-redes.

57′, Atl. Madrid campeão. O conjunto de Diego Simeone entrou a todo o gás na segunda parte, acampando no meio-campo do Valladolid e colocando várias bolas na área em ataque organizado ou lances de estratégia. No entanto, foi preciso a magia individual de um “saca-rolhas” para conseguir aquilo que pelo ar não estava a resultar: Correa recebeu à entrada da área, tirou dois adversários da frente e rematou de “bico” rasteiro para o empate. Dois minutos antes, em Valdebebas, Real Madrid tinha conseguido empatar mas o golo acabou por ser anulado pelo VAR. Colchoneros passavam a ter três pontos de vantagem na liderança.

67′, Atl. Madrid campeão. O Real tentava a todo o custo dar ainda a volta ao marcador, até por saber que uma vitória com empate do Atlético dava título, mas Luis Suárez fez questão que não existissem dúvidas apenas dez minutos depois do golo de Correa, aproveitando um atraso errado de Sergi Guardiola para avançar sozinho para a área a e fazer a reviravolta no marcador, colocando a equipa bem mais confortável no encontro. Apesar das substituições e das oportunidades dos visitados, Villarreal continuava a ganhar em Valdebebas.

87′ e 90+2′, Atl. Madrid campeão. Com o jogo controlado em Valladolid, o Real conseguiu ainda virar o seu encontro nos últimos minutos com um golo de Benzema a três minutos do final e outro de Modric já em período de descontos. No entanto, e apesar desse triunfo, a história estava decidida. Com essa curiosidade de, no último minuto de descontos no seu jogo, o Atl. Madrid não poder sofrer sob pena de poder perder o título de campeão.