Antes de Florentino Pérez e Andrea Agnelli terem tido sequer a ideia de criar uma Superliga Europeia, já Aurelio De Laurentiis dizia que era necessário reformular as competições europeias. O presidente do Nápoles defende há mais de uma década que “o atual sistema já não funciona” e esta semana voltou a reiterar o plano.

“O sistema já não funciona. A Liga dos Campeões e a Liga Europa não geram bilhetes suficientes para os clubes e, para ser competitivo, é preciso gastar mais. O prémio das competições da UEFA não tem isso em conta. Os clubes devem falar entre eles para criar um torneio mais moderno e rentável”, explicou De Laurentiis numa entrevista ao Daily Mail onde também antecipou o encontro desta quinta-feira entre o Nápoles e o Leicester na primeira jornada da fase de grupos da Liga Europa.

Quem ganhou, quem perdeu e quem acha que ganhou ao fim de 48 horas de Superliga Europeia

“É preciso reduzir o número de equipas nos campeonatos e criar uma liga europeia com um sistema de classificação democrático, que se baseie naquilo que os clubes conseguirem nos seus países. Tenho estado a estudar este projeto: traria 10 mil milhões de euros ao futebol europeu mas teria de existir vontade e total independência”, acrescentou o italiano.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ainda assim, De Laurentiis concorda com Florentino Pérez sobre a falta de interesse entre os jovens em relação ao futebol. “Se não mudarmos as regras e não melhorarmos o espetáculo, vão abandonar-nos. As pessoas entre os oito e os 25 anos, segundo os meus inquéritos, deixaram de olhar para o futebol e preferem jogar nos telemóveis. Não vai morrer a vontade de ver o futebol em direto nos estádios mas agora há ‘estádios virtuais’ que podem atrair milhares de milhões de pessoas. Quem sabe se conseguimos levá-las de volta ao caminho do desporto mais influente do mundo?”, disse o presidente do Nápoles.

UEFA ataca e vai banir jogadores dos dissidentes de Europeus e Mundiais: “Esta ideia é cuspir na cara dos adeptos e na sociedade”