Obrigado por ser nosso assinante. Usufrua de leitura ilimitada deste e de todos os artigos do Observador.

O novo Model Y da Tesla, cujas primeiras unidades começaram a chegar à Europa, todas elas na versão Long Range e vindas da Gigafactory Xangai, foi submetido ao teste do alce pelos espanhóis do Km77. Apesar de ser uma versão sem vocação desportiva, estatuto que está reservado à versão Performance, mais potente e com suspensões mais desportivas.

O crossover da Tesla conseguiu realizar com êxito a manobra de esquiva depois de entrar no duplo “S” a 83 km/h. Este valor, de acordo com o referido site, figura entre os melhores conseguido até aqui, com a particularidade de ser idêntico ao atingido pelo Model 3, também ele na versão Long Range, que não só é mais leve, como tem menor altura ao solo e é mais baixo. Isto prova que, apesar do Model Y recorrer à mesma plataforma da berlina, o construtor conseguiu realizar uma adaptação total do chassi, de modo a manter a eficácia.

Dacia Spring (quase) bate Porsche Taycan no teste do Alce

Talvez mais surpreendente do que a paridade em relação ao Model 3, é o facto de o Model Y, sem pretensões vincadamente desportivas, ter conseguido bater o Taycan Turbo S, a versão mais potente, mais desportiva e mais cara deste modelo da Porsche. Apesar de ser mais larga, muito mais baixa e estar equipada com suspensões reguláveis e pneus mais largos e de perfil inferior, a berlina desportiva alemã nunca conseguiu ultrapassar os 78 km/h na entrada da manobra.

Conduzimos o Model Y da Tesla e dizemos-lhe se é melhor ou pior do que o Model 3

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O teste do alce começou por ser um problema eminentemente nórdico, sobretudo na região em que este tipo de animais de grande porte teimam em atravessar repentinamente a estrada, em frente dos veículos que passam. Para evitá-los, o condutor tem de guinar para a esquerda e depois rapidamente para a direita, para regressar à sua faixa de rodagem. Esta manobra realizada a 80 ou a 90 km/h, muitas vezes em piso escorregadio, requer um automóvel estável, com um chassi eficaz.

Rapidamente construtores e legisladores perceberam que o problema dos suecos era, afinal, comum ao resto do mundo, sempre que é necessário desviar-se de uma criança a correr atrás de uma bola ou esquivar-se de um outro veículo. Tudo isto sem se despistar.