A Associação Nacional de Sargentos (ANS) solicitou esta terça-feira uma audiência com o primeiro-ministro, António Costa, para o informar sobre “preocupações e outras questões relativas” às condições destes militares, entre elas um “crónico défice orçamental” nas Forças Armadas.

Num ofício dirigido ao chefe do gabinete do primeiro-ministro, ao qual a agência Lusa teve acesso, e entregue esta tarde em S. Bento, a Associação Nacional de Sargentos começa por apontar “a situação dos militares e das Forças Armadas portuguesas” que “continua a assentar num crónico défice orçamental que não se vislumbra vir a ser alterado”.

A associação refere ainda que “se aguarda a realização da discussão da petição com mais de 7.700 assinaturas, promovida pelas associações profissionais de militares” entregue em julho na Assembleia da República, na qual pedem que o parlamento “reveja e altere o Regime Remuneratório dos Militares no sentido da atualização dos seus vencimentos que há mais de uma década não são revistos, mas cujo agendamento não há notícia de estar efetivado”.

A ANS refere também que “a chamada “Reestruturação da Estrutura Superior das Forças Armadas” veio acentuar a descaracterização da instituição militar, provocando mais “equívocos” do que agilizar os mecanismos de funcionamento interno”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Uma vez que os militares, e os sargentos em particular, continuam na expectativa de verem resolvidas as suas já habituais reivindicações relacionadas com a ADM [Assistência na Doença aos Militares], o IASFA [Instituto de Ação Social das Forças Armadas], o EMFAR [Estatuto dos Militares das Forças Armadas], o RAMMFA [Regulamento de Avaliação do Mérito dos Militares das Forças Armadas], o processo das promoções e demais aspetos ligados à condição militar”, escrevem.

Neste contexto, a ANS solicitou ao chefe de gabinete do primeiro-ministro que transmita a António Costa “a urgência em proceder à marcação de uma audiência com os seus dirigentes, de modo a que estes possam informar e suscitar informação junto do chefe do Governo sobre as preocupações e outras questões relativas às matérias acima elencadas”.