Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Rui Vitória e o Spartak Moscovo conseguiram esta quarta-feira uma importante vitória caseira frente ao complicado Nápoles, por 2-1. Assim, não só os moscovitas conseguem passar pelos dois jogos contra um dos líderes da Serie A com duas vitórias, mas também se mantêm em boa posição para lutar por seguir em frente nas competições europeias. No entanto, o momento que marcou de certa forma a nevosa tarde de Moscovo foi já no final do encontro e entre os dois técnicos.

Spalletti não conhecia Rui Vitória mas Sobolev fez questão de que o italiano nunca mais se esqueça

Quando o português se dirigiu ao homólogo Luciano Spalletti para o cumprimentar, o experiente treinador italiano levantou as duas mãos e recusou a saudação de Vitória, que ficou com um sorriso que teve o seu quê de irónico enquanto abanava a cabeça.

Mais tarde, Spalletti explicou que não gostou de não ter sido cumprimentado antes do jogo, tal como fez em Itália com o português (apesar de ter precisado de ajuda para o reconhecer…), pelo que não acedeu ao cumprimento de Rui Vitória depois de ser derrotado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Ele não me cumprimentou antes do jogo e é nessa altura que deves apertar a mão do outro treinador e não apenas no final só porque ganhaste. Eu cumprimento sempre o treinador visitante antes do jogo. É muito fácil fazê-lo depois, só porque venceste. Há que dar as boas-vindas ao estádio”, explicou Spalletti à Sky Sports italiana.

Sobre o futebol jogador e a derrota, o treinador do Nápoles lamentou o golo sofrido de grande penalidade logo aos 2′, que “tornou o jogo mais complicado”, sendo que a sua equipa “controlou na segunda parte, mas foi demasiado tarde”. “Coloquei uma equipa de ataque e de iniciativa, mas o golo mudou tudo”, frisou.