Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não começou bem e teima em endireitar-se e melhorar. A aventura de Rui Vitória na Rússia está longe de correr como era certamente esperado pelo treinador português e pelo Spartak Moscovo, que apostou no técnico ribatejano para conseguir bons resultados. No entanto, nos últimos sete encontros a equipa moscovita não venceu nenhum jogo em todas as provas, sendo cinco desses jogos na Liga russa, onde ocupar o décimo lugar. A última vitória da equipa orientada por Vitória foi a 3 de outubro, frente ao Akhmat Grozny, por 1-0. Antes desse encontro, para a Liga Europa, foi precisamente frente ao adversário desta quarta-feira, o Nápoles, que o Spartak conseguiu um dos melhores resultados da época, ao vencer por 3-2 no Estádio Diego Armando Maradona.

A esse resultado, que foi muito bom, junta-se um bom, que foi o empate no estádio do Leicester (1-1), sendo assim dois resultados agradáveis frente às duas melhores equipas do Grupo C da Liga Europa. Já com o Legia Varsóvia, os russos perderam em casa por 0-1. Assim, os 4 pontos que a equipa de Rui Vitória tem ainda a coloca na luta para a qualificação para a próxima fase, apesar do último lugar do grupo. O Leicester tem à entrada para esta jornada 5 pontos, o Legia tem 6 e o Nápoles lidera com 7. Um grupo que partia completamente em aberto para as últimas duas jornadas e, acima de tudo, uma oportunidade para Rui Vitória e os seus jogadores darem uma espécie de pontapé na crise.

Essa crise já colocou muitas vezes, pelo menos alegadamente, o lugar do treinador português em risco, e Aleksandr Mostovoi, antigo jogador do Benfica (nos anos 90), comentou a situação do técnico… mas apenas numa perspetiva a curto prazo (muito): “Faltam poucas jornadas do campeonato antes da pausa de inverno e não vale a pena tirar agora o Rui Vitória. Mas o Spartak tem de pensar em substituí-lo“.

E o Spartak não podia ter entrado melhor no jogo, ao fazer golo logo aos dois minutos de jogo. Lobotka, jogador do Nápoles, derrubou Moses dentro da área e os moscovitas ganharam uma grande penalidade para começar o encontro. Sobolev, chamado a converter, marcou muito bem a grande penalidade com um remate colocado para a direita do guarda-redes Meret, que se lançou para o lado oposto. 1-0 para o Spartak e praticamente 90 minutos pela frente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Nápoles partiu naturalmente para cima do Spartak Moscovo e quase conseguiu empatar o jogo, mas foi mesmo Sobolev que fez o 2-0, num bom lance da equipa de Rui Vitória. Excelente trabalho de Moses na direita, cruzamento bem medido e o avançado dos russos fez golo, finalizando bem. Ao intervalo o resultado mantinha-se em dois golos de diferença e os moscovitas tinham os mesmos sete pontos que o adversário desta tarde.

A equipa italiana apresentava-se limitada, no entanto, visto que o avançado Victor Osimhen foi operado na passada terça-feira, depois de várias fraturas no rosto após choque com Milan Skriniar, no jogo com o Inter Milão, onde o ainda líder italiano (juntamente com o AC Milan) sofreu a primeira derrota no campeonato. Foram colocadas placas e parafusos de titânio na cara do dianteiro nigeriano que leva esta época 9 golos em 14 jogos pelo Nápoles, que investiu mais de 70 milhões de euros no jogador, que estava no Lille e foi contratado no arranque da época passada. A recuperação deverá demorar três meses e Luciano Spalletti, técnico dos italianos, fica com uma equipa órfã de um goleador. Foi assim que o Nápoles enfrentou o Spartak no primeiro tempo e era assim que tinha de jogar a segunda, debaixo de um nevão que era já considerável.

Mesmo assim, o Nápoles relançou o jogo à beira dos últimos 25 minutos, através do macedónio Elmas (2-1), mas não conseguiria mais do jogo, significando assim que o Spartak Moscovo, em crise na liga russa e sem vencer há 7 jogos, regressa aos triunfos frente a um dos líderes da liga italiana, que vence assim por duas vezes na fase de grupos da Liga Europa. Também importante é a equipa de Rui Vitória manter-se na luta pelo apuramento.

Na primeira mão, Luciano Spalletti não sabia quem era o técnico português. Depois de duas derrotas frente a Rui Vitória, é provável que não se esqueça.