829kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Lucian Freud
i

Getty Images

Getty Images

Lucian Freud: uma vida em permanente auto-retrato

Nasceu a 8 de dezembro de 1922. Cem anos depois, e mais de uma década após a sua morte, continua a ser um dos mais influentes pintores da arte contemporânea. Uma retrospetiva em Londres comprova-o.

    Índice

    Índice

Lucian Michael Freud (1922-2011) era filho do arquiteto Ernst L. Freud e neto do psicanalista Sigmund Freud. Quando Lucian tinha 11 anos, em 1933, os pais emigraram de Berlim para Inglaterra, escapando à ascensão do nazismo. O pai Ernst foi o primeiro dos Freud a partir com a mulher e os três filhos, ciente do perigo que os espreitava por serem judeus, tanto pelo lado alemão da mulher Lucie (Brasch) como pelo lado austríaco (Freud). Em Londres, passaram a viver numa casa modernista em St. John’s Wood, Hampstead, na qual o pai instalou o atelier de arquitetura, no mesmo bairro que o avô Sigmund Freud escolheria quando finalmente se decide a largar Viena na sequência da anexação da Áustria pela Alemanha.

Em 1938, um Sigmund Freud adoentado junta-se ao filho e netos no exílio, na sua última morada, uma casa vitoriana, atual casa-museu Freud, onde o pai da psicanálise morre no ano seguinte. Ainda nesse ano, o seu neto Lucian obtém a cidadania britânica, quatro dias antes de o Reino Unido declarar guerra à Alemanha. Já cidadãos britânicos, os três irmãos Freud alistam-se para lutar durante a Segunda Grande Guerra, servindo Lucian na Marinha Mercante britânica. Tal como o artista revelou ao biógrafo William Feaver com quem conversou quase diariamente ao longo de 40 anos, a ideia  de que poderia ter morrido com os irmãos nos fornos crematórios de Hitler nunca o abandonou. Quem sabe reside aí a chave para a sua obra; e a capacidade que a mesma tem de sugerir a vida em face da morte ou o que representa habitar um corpo, uma experiência visceral, psicológica e emocional finita e mortal.

No Reino Unido, o artista faria o percurso típico dos filhos da elite, educado nos colégios internos de Dartington Hall School em Devon, com reputada excelência no campo artístico, e na liberal Bryanston School, em Dorset, da qual foi expulso por comportamento desordeiro. De 1942 a 1943, frequentou o Goldsmiths College, em Londres, passou ainda pela Central School of Arts and Crafts impulsionada pelo conhecido movimento de William Morris e pela Slade School of Fine Arts.

"Bella e Esther", 1988

Lucien Freud

Lucian Freud emergiu na década de 1940, e sobretudo no pós-guerra, um período de turbulência e incerteza quanto ao papel da arte, ao longo do qual os artistas sentiram a pressão de tomar partido, assinar manifestos, assumirem uma responsabilidade social. A posição de Freud, como a de vários outros artistas, foi a de resistir às pressões e ao que entendia ser uma moda ou uma cooptação da arte ao serviço de agendas. O seu único desejo era produzir imagens que pudessem falar para lá do tempo. E foi o que nos deixou: desenhos e pinturas de amigos, amantes, familiares, colegas, celebridades, líderes empresariais, membros da realeza, ícones gays, trabalhadores, e ainda bastantes auto-retratos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A preferência por retratos íntimos e psicológicos

A exposição que inaugurou na National Gallery, “Lucian Freud: Novas Perspetivas” e ali vai ficar até 22 de Janeiro de 2023, é a primeira grande retrospetiva que na última década lhe é dedicada. Reúne o produto de sete décadas de trabalho, dos primeiros e mais íntimos óleos às telas de grande escala e nus monumentais.

Ao longo de 50 obras, o visitante pode apreciar desenhos, gravuras (etchings) e pinturas de poderosas figuras públicas como a rainha Isabel II, o banqueiro Jacob Rothschild e o Barão Thyssen-Bornemisza, tête-à-tête com estudos particulares de amigos e familiares; o ambiente familiar e doméstico alternando com o do atelier salpicado de tinta – lugar que se torna palco e assunto por direito próprio – e o enfoque na expressão fisionómica destronado pela primazia concedida à carne nos trabalhos finais, quando as suas telas se enchem de corpos gordos, envelhecidos, engelhados, extenuados e queer.

Intensamente reservado, Freud resguardava-se e fugia à exposição pública. Detestava dar entrevistas, não dava o seu número de telefone a ninguém, não tinha placa de identificação ou número na porta da frente de casa. Sentia-se bem mais confortável a perscrutar o retratado do que a abrir mão de si. Preferia retratar amigos e familiares a personalidades públicas.

Tons sombrios, interiores inquietantes e paisagens urbanas são uma marca persistente. Mas a técnica muda e nos trabalhos finais o recurso preferido é o impasto, através do qual a tinta é aplicada em camadas grossas. A tinta também pode ser misturada diretamente na tela. Quando seco, o impasto fornece textura, as pinceladas tornam-se visíveis e a pintura ganha uma saliência quase tridimensional.

O convívio com a celebridade

A fama de Lucian ofuscou e muitas vezes prejudicou o seu trabalho. A sua vida privada atraía grande curiosidade e escrutínio: era um membro da família Freud com uma vida amorosa acidentada. Tornou-se uma figura do mito popular, um artista situado entre o submundo e a aristocracia, perambulando por pubs miseráveis ​ou por restaurantes de luxo.

Intensamente reservado, Freud resguardava-se e fugia à exposição pública. Detestava dar entrevistas, não dava o seu número de telefone a ninguém, não tinha placa de identificação ou número na porta da frente de casa. Sentia-se bem mais confortável a perscrutar o retratado do que a abrir mão de si. Preferia retratar amigos e familiares a personalidades públicas. Servia-se de modelos humanos a quem famosamente solicitava sessões penosas e prolongadas no seu estúdio, as quais chegavam a durar meses, depois de enviuvar a mãe por exemplo passou a posar para ele ao longo de uma década.

O resultado final demonstra uma aguda penetração psicológica do retratado e um exame muitas vezes desconfortável da relação do mesmo com o artista. Freud nunca embeleza ou lisonjeia os assistentes, limitando-se a apresentar o que tem diante de si, de modo intenso, valorizando os detalhes e com uma notável habilidade de manipulação da tinta. De modo despretensioso aplica o mesmo nível de escrutínio ao amigo David Hockney ou à rainha Isabel II.

"Retrato do Cão" (2011), "Dois irlandeses em W11" (1984-5) e "Auto-retrato com vaso de jacintos" (1947-8)

Bridgeman Images

Esta exposição quase não dá relevo à fama ou infâmia da vida privada do artista, concentrando-se ao invés no seu compromisso intransigente com a pintura e o século XX. Se no início de carreira ele se aproximou do surrealismo, a partir dos anos 50 as suas pinturas rígidas e alienadas enquadram-se melhor no realismo, estilo que seguiria até ao final de carreira.

Estudava regularmente pinturas clássicas, especialmente as da National Gallery aonde se deslocava com regularidade. “Visito a National Gallery quase como visito o médico em busca de ajuda”, declarou. Aprendeu muitos com os mestres, Titian, Rembrandt, Ingres, Constable, Renoir, Degas, com as conquistas e técnicas do passado, às quais adaptou e nas quais enxertou o seu estilo.

Do erotismo dos amantes à complexidade dos retratos familiares

As representações que fez dos amantes sempre fascinaram os críticos pela carga erótica transbordante e pela observação que fazem da relação hierárquica que se estabelece entre o pintor e o modelo. As interpretações da crítica são tudo menos consensuais. Para uns, os seus retratos são implacáveis e cruéis, para outros são íntimos e reveladores de cuidado e ternura.

Freud passou a maior parte da vida profissional em Londres e era frequentemente visto em bares e restaurantes, muitas vezes na companhia das jovens modelos que pintou, Kate Moss foi uma das mais célebres. A mesa que ocupava com regularidade no restaurante The Wolseley em Mayfair foi coberta no dia da sua morte com uma toalha preta e uma vela acesa em sua homenagem.

A exposição da National Gallery inclina-se mais para a segunda visão, sobretudo quando analisa os retratos e pinturas de família. As telas que o artista dedica às filhas e aos amigos proporcionavam-lhe passar tempo com eles. Freud pintou bastantes vezes a mãe com quem teve uma boa relação e regularmente as filhas. O resultado é revelador das dinâmicas familiares, e evocativo da complexidade dos relacionamentos. Nos nus que dedica às filhas, a composição é modesta e nada tem de erótico. Freud  falou bastante dos seus “retratos nus”, como lhes chamava, onde a pintura servia para captar a realidade da carne tanto quanto a complexidade das relações afetivas.

Vida amorosa

O artista teve relacionamentos com homens e mulheres e casou-se duas vezes. Na década de 1940, Freud e os artistas Adrian Ryan (1950-1998) e John Minton (1917-1957) formam um triângulo amoroso homossexual. Depois de um caso com Lorna Garman, Lucian casa-se em 1948, com uma sobrinha desta, Kitty Garman, filha do escultor Jacob Epstein. Entre muita turbulência e instabilidade devido às constantes infidelidades de Lucian, o casal gera duas filhas, Annabel Freud e a poetisa Annie Freud. O casamento dura cinco anos, a separação ocorre em 1952.

No final desse ano, Freud foge com a herdeira da indústria cervejeira Guinness, a escritora Lady Caroline Blackwood para Paris. Casa-se com ela um ano mais tarde, e Lady Caroline torna-se a musa que ele eterniza repetidas vezes em: “Girl in Bed” (1952), “Girl Reading” (1952), “Girl in a Green Dress” (1954) patente nesta exposição e “Girl by the Sea” (1956).

"Auto-retrato, 'Reflexo'" (2002) e "Rapariga com Rosas" (1947–8)

Lucien Freud

O seu estilo de vida boémia e devassa, de que foram parceiros Francis Bacon e John Minton, aliado a uma dependência do jogo, conduzem ao segundo divórcio em 1959.

Não obstante os rumores de que Freud teve uma progenitura exorbitante de quarenta filhos, o número tem sido considerado exagerado. São-lhe porém seguramente atribuídos 14, dois do primeiro casamento e doze de várias parceiras. A escritora Esther Freud e a estilista Bella Freud, figuras conceituadas no RU, são filhas de uma relação extramatrimonial que teve com uma jovem católica irlandesa que havia apenas atingido a maioridade quando dele engravidou. Foram criadas pela mãe em Marrocos para escaparem à sina dos filhos de mães solteiras na Irlanda de então. Aparecem nesta exposição, num óleo intitulado “Bella e Esther” (1987-8) confortavelmente estiradas num velho sofá de couro do pai, habitando os espaços mais importantes da vida de Freud: o atelier e a tela.

Freud foi um pai distante e um homem desapegado nas relações amorosas, mas sincero o bastante para reconhecer e auto-proclamar o seu “egoísmo”. A pretexto de que a monogamia e a parentalidade interferiam com a sua independência e dedicação artísticas rejeitou a monogamia e negligenciou o papel paternal. O desprezo que tinha pelas convenções e pelos sentimentos dos outros facilitaram a vazão que deu a uma líbido que raiava o patológico.

Lucian Freud

A Lucian Freud não faltou, em vida, o reconhecimento de que era um dos maiores, mais influentes e controversos pintores britânicos da sua época (aqui fotografado em 1952)

Getty Images

Freud e Londres

Freud passou a maior parte da vida profissional em Londres e era frequentemente visto em bares e restaurantes, muitas vezes na companhia das jovens modelos que pintou, Kate Moss foi uma das mais célebres. A mesa que ocupava com regularidade no restaurante The Wolseley em Mayfair foi coberta no dia da sua morte com uma toalha preta e uma vela acesa em sua homenagem.

Após uma longa vida, a que não faltou o reconhecimento de que era um dos maiores, mais influentes e controversos pintores britânicos da sua época, nem o conforto e compensação materiais (em 2008, o seu retrato de uma mulher grande e nua num sofá, “Benefits Supervisor Sleeping”, foi vendido em leilão por £17 milhões, preço recorde para o trabalho de um artista vivo) o artista morreu na sua casa de Londres, aos 88 anos.

Londres era a sua cidade, da qual raramente saiu na segunda metade de vida. Em seu louvor, disse: “A atitude de Hitler para com os judeus persuadiu o meu pai a levar-nos para Londres, o lugar que prefiro em todos os sentidos e a qualquer outro onde já estive”.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Apoie o jornalismo independente desde 0,18€/ dia
Ver planos
Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas