Recentemente, começaram a circular nas redes sociais fotografias de uma nova Barbie que teria acabado de ser lançada: “Barbie aborto”. Indignados, os utilizadores das redes sociais alertam que este suposto brinquedo já se encontra a ser comercializado e censuram-no por, no seu ponto de vista, incentivar as crianças a “matar bebés”. “Vem com a tesoura para fazer o aborto e induzir as crianças a fazerem isso como normal”, critica uma delas. Só que esta “Barbie Aborto” não é um brinquedo, mas um projeto criado por um artista norte-americano que em 2014 criou estas bonecas para satirizar Wendy Davis, uma advogada e candidata democrata a governadora do Texas que foi apelidada, precisamente, de “Barbie Aborto”.

Um das várias publicações que circula sobre a suposta Barbie Aborto

Nas imagens é possível ver duas caixas nas quais, na parte exterior, está escrito: “Abortion Barbie” (“Barbie aborto”, em português). Lá dentro, cada uma delas tem uma boneca aparentemente grávida, ao lado de um boneco bebé e de uma tesoura. Só que as imagens divulgadas nas redes sociais não mostram a totalidade das caixas, mais concretamente a parte inferior onde é feita uma indicação exatamente à candidata democrata: “Wendy Davis para governadora do estado do Texas”. Noutra é possível ler: “NYC’s Black Genocide” (“Genocídio Negro em Nova Iorque”, em português).

Ainda antes de as caixas com as Barbies terem surgido, este projeto começou com a criação de 20 cartazes com a cara de Wendy Davis. A advogada, ex-senadora do estado do Texas e candidata democrata a governadora em 2014, ficou conhecida por defender o aborto em qualquer fase da gestação — o que, aliado ao facto de ser loura, lhe valeu o apelido de “Barbie Aborto”. Em maio de 2014, Kathryn Stuard, uma mulher conservadora natural de Midland, financiou um artista de rua, conhecido por Sabo, para que criasse cartazes que retratassem Davis como “Barbie Aborto”, conta o jornal local San Antonio Express-News.

E assim foi. Sabo criou 20 cartazes que mostram o rosto de Davis sobre uma boneca Barbie seminua com um feto exposto na barriga e ao lado de uma tesoura. Os posters foram espalhados nas ruas de Hollywood, numa altura em que Davis se encontrava em Los Angeles no âmbito de uma campanha de arrecadação de fundos para a sua candidatura. “Hollywood dá as boas-vindas à Barbie Aborto Wendy Davis”, lia-se nos cartazes.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mais tarde, Sabo decidiu mesmo passar dos posters e criar uma caixa física com uma boneca verdadeira — que agora serviu de base para a divulgação de informações falsas nas redes sociais. No YouTube, o norte-americano publicou até um vídeo em que mostra como é que a peça artística foi fabricada:

A peça encontra-se, aliás, à venda no site do artista norte-americano. No seu site, Sabo publicou uma imagem que mostra todas as laterais da caixa, com 33 por 18 centímetros, sem revelar qual o valor que pede pela sua criação. Sugere apenas o envio de um email para solicitar essa informação.

A imagem publicada pelo autor que mostra a composição de toda a caixa

Na sua página na internet, Sabo também publicou outro vídeo onde explica que criou esta peça para satirizar Wendy Davis e defender a sua posição em relação ao aborto. “Na minha opinião, os abortos tardios nada mais são do que pura carnificina. Portanto, gostei de fazer esta peça e pensei se a Mattel viria atrás de mim”, disse, adiantando que receou ser processado pela empresa que produz a Barbie.

Ainda em 2013, logo quando o apelido de “Barbie Aborto” surgiu, a empresa que produz as Barbies originais quis esclarecer que não estava relacionada com este modelo. “Como um ícone da cultura pop, a Barbie é frequentemente referenciada. A chamada boneca Wendy Davis não é produzida ou aprovada pela Mattel“, disse um porta-voz da empresa à revista Time. Quando estas peças artísticas surgiram no ano seguinte, a empresa voltou a distanciar-se. “Queremos garantir que a chamada Wendy Davis Barbie não é produzida ou aprovada pela Mattel”, explicou via Twitter.

Já quanto à outra Barbie que aparece na publicação do Facebook, também ela é da autoria de Sabo . Numa publicação no seu perfil de Facebook — que já não se encontra disponível, mas que é citada pela agência Reuters —, o autor das bonecas justificava a sua criação: “Uma criança negra concebida em Nova Iorque tem 50% de probabilidade de viver e 50% de ser abortada. É por isso que criei esta Barbie Genocídio Negro em Nova Iorque”. Aliás, esta peça já foi até vendida, como anunciou o artista no seu site — sem revelar por que valor.

Conclusão

Circula nas redes sociais fotografias de uma suposta nova Barbie que teria acabado de ser lançada: a “Barbie aborto.” Só que esta Barbie Aborto não é um brinquedo, mas um projeto de um artista norte-americano que em 2014 criou estas bonecas para satirizar Wendy Davis, uma advogada e candidata democrata a governadora do Texas que foi apelidada de “Barbie aborto”.

Aliás, ainda antes de as caixas com as Barbies terem surgido, este projeto começou com a criação de 20 cartazes com a cara de Wendy Davis. Em maio de 2014, Kathryn Stuard, uma mulher conservadora natural de Midland, financiou um artista de rua, conhecido por Sabo, para que criasse cartazes que retratassem Davis como “Barbie Aborto”. Mais tarde, Sabo decidiu mesmo passar dos posters e criar uma caixa física com uma boneca verdadeira.

Assim, de acordo com o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

ERRADO

No sistema de classificação do Facebook este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota 1: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact checking com o Facebook.

IFCN Badge