Economia em dia com a CATÓLICA-LISBON

A Revolução da Inovação: uma exposição e dois livros

Autor
  • Pedro Oliveira
244

Se gostava de perceber melhor a revolução silenciosa que está a acontecer na inovação, não perca o Patient Innovation numa das 29 cidades europeias que vai receber a exposição.

Quando tinha 12 anos, Michael Seres foi diagnosticado com doença de Crohn. Aos 14 foi submetido à primeira cirurgia, a que se seguiriam outras 24 e que culminariam numa ileostomia, um procedimento que consiste na abertura de um orifício exterior na parede abdominal. Condenado a usar um saco de ostomia para recolher o seu conteúdo intestinal, Michael vivia frustrado pelos constrangimentos quotidianos da sua nova condição e por não existir uma maneira fácil de verificar se o saco estava cheio. Foi aí que Michael começou a pensar numa solução e descobriu um elemento da luva da Nintendo Wii que, se colocado na parte externa do saco, o poderia ajudar a medir o seu conteúdo. O produto evoluiu e Michael fez vários protótipos do que é hoje o Ostom-i Alert Sensor, um dispositivo que envia, via Bluetooth, as medições do saco para um smartphone. O que começou por ser uma solução para resolver o problema do Michael, é hoje um dispositivo com enorme valor social e económico, disponível em hospitais de todo o mundo e que pode facilitar o quotidiano e vida social dos mais de cinco milhões que sofrem desta condição.

Este tipo de inovação, em que os próprios utilizadores desenvolvem soluções inovadoras para resolverem os seus próprios problemas, está a revolucionar o nosso entendimento sobre a inovação. Tal facto está espelhado na plataforma online Patient Innovation, sediada na Católica Lisbon School of Business and Economics, na qual já colecionámos e curámos mais de 600 inovações, oriundas de uma comunidade global superior a 37.000 doentes ou cuidadores. Talvez por isso o Museu de Ciência de Londres tenha decidido dar visibilidade ao projeto, selecionando o Patient Innovation e alguns das suas “inovações de doentes” para a exposição europeia ‘Beyond the Lab: The DIY Science Revolution’ que está atualmente em Londres, Bona, Varsóvia e Ljubljana e irá percorrer 29 cidades europeias, incluindo Lisboa.

Para além da exposição, dois importantes livros publicados em 2016 sob a chancela da MIT Press, realçam esta nova realidade. Em Free Innovation, Eric von Hippel, considerado o “pai da inovação de utilizador”, discute as origens e implicações deste novo paradigma. O conhecido professor do MIT foi o primeiro a constatar que muitos dos produtos que usamos todos os dias foram concebidos por “utilizadores” que os desenvolveram com o intuito de os utilizar e não com o objectivo de os comercializar. A ideia de que os utilizadores inovam tem-se revelado da maior importância e tem ajudado inúmeras organizações a tornarem-se mais inovadoras. Também o livro Revolutionizing Innovation editado por Dietmar Harhoff (Max Planck) e Karim Lakhani (Harvard), apresenta modelos distribuídos de inovação que incluem comunidades e plataformas, incluindo o Patient Innovation, bem como a evidência empírica desta realidade.

Se gostava de perceber melhor a revolução silenciosa que está a acontecer na inovação, não deixe de ler estes livros e não perca o Patient Innovation numa das 29 cidades europeias que vai receber a exposição.

Senior Associate Dean for Faculty and Research, poliveira@ucp.pt

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Pai para mim, mãe para ti  /premium

Inês Relvas

Com a existência de um período de licença igualmente longo por parte dos pais, a decisão de preferência de um homem versus uma mulher para uma posição de trabalho poderá finalmente deixar de existir. 

Pedofilia

Vade Retro, Sr. Padre! /premium

José Diogo Quintela

Os padres envolvidos nos casos de abusos sexuais são uma minoria. O pior é a cobertura que lhes dá o resto da hierarquia católica. A protecção dos abusadores vê-se nas penas do Tribunal Eclesiástico.

Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)