Educação

Conhecimento e criatividade: capital para o futuro

Autor
  • Vicente Ferreira da Silva
183

As reformas educativas de desinvestimento e de facilitismo começam a pagar dividendos. E que dividendos são esses? A educação, que já foi uma paixão, deixou de ter valor estratégico.

Há três anos, recebi um email com o seguinte assunto: O papel da escola! Solicitava-se, num teste de português, que os alunos respondessem ao seguinte: Num texto bem estruturado e linguisticamente cuidado, com um mínimo de 10 linhas, exprime a tua opinião sobre o papel da escola na formação de um cidadão. Eis a resposta: “O papel da escola eu axo que é igual a um papel qualquer de imprensa A4. E de certeza que é. Tem a mesma grossura e tudo. Agora se estão a falar, por exemplo, das folhas de teste que é uma folha A3 duberada ao meio fazendo duas folhas A4, axo melhor que as folhas sejam assim do que só uma folha A4, nossas fichas que a professoras dão são sempre folhas de formato A4 ou de formato A5. Os testes as professoras metam sempre folhas de formato A4 mas quando são mais as professoras agrafam sempre as folhas e nunca faze teste com folhas de formato A5. Por isso eu axo que as folhas desta escola são iguais às das outras escolas ou de outras empresas”.

Desconheço qual a cotação da resposta nem a nota atribuída à totalidade do teste, mas espero que o aluno tenha chumbado. Porém, não creio em tal desfecho. Em Portugal, a educação, pedra angular para o desenvolvimento de qualquer país, anda pela rua da amargura sujeita à melhoria de dados estatísticos em vez do possibilitar e consolidar de conhecimento. Numa época em que caminhamos para um tempo em que o conhecimento será, e fará, a riqueza nacional e o pilar de diferenciação entre os países, Portugal continua a implementar regras que permitem o transitar dos alunos de nível para nível até atingirem o ensino superior. É de espantar que, em provas orais universitárias, alguns alunos não saibam que a NATO e a OTAN são a mesma organização e que para um deles, quiçá para mais, um genocídio seja a morte dos genes?

Felizmente, nasci noutra era. Num período em que a escola exigia de mim. Como tal, consigo evocar, entre outros, Aristóteles “todos aqueles que já meditaram sobre a arte de governar, ficaram convencidos que o destino dos impérios depende da educação da juventude”, Epiteto “Apenas os que possuem instrução são livres”, Ariel e William James Durant “A transmissão dos valores civilizacionais faz-se pela educação” e John Dewey “A educação não é a preparação para a vida; é a própria vida”.

Em 1996, Lester C. Thurow, professor de economia e ex-reitor da Sloan School of Management do MIT, afirmou que “no séc. XXI, as capacidades intelectuais e a imaginação, a invenção e a organização de novas tecnologias serão os ingredientes estratégicos cruciais” para qualquer país. Em 2019, o Ministério da Educação persiste não apenas no amputar das bases fundamentais para o desenvolvimento das capacidades intelectuais como também na aplicação de metodologias e formações desadequadas ao mercado de trabalho.

Porque é que tal é um risco para o futuro? Primeiro, alunos que não compreendem as perguntas não darão respostas. Alunos que não pensam também não aplicarão soluções nem serão originais. Limitar-se-ão, quiçá, a repetir o que lhes disserem. Mas nem isso está garantido. Segundo, sabendo-se que muitos jovens irão trabalhar em profissões que ainda não foram inventadas, manter formações que foram pensadas o mercado de trabalho que existia há cinquenta anos é incompreensível.

Em  10 Ideias para a Educação, José António Salcedo defende que “o conhecimento é o que as pessoas criam dentro da sua cabeça quando compreendem uma situação, resolvem um problema ou adquirem uma nova competência segundo um processo pedagógico que exige três passos: criação de conhecimento, criação de valor e amplificação de valor”. É isto que se verifica em Portugal? A educação, que já foi uma paixão, deixou de ter valor estratégico. Está confinada a uma visão de curto prazo e desligada das exigências da sociedade.

Como os dividendos das sucessivas reformas educativas são negativos é urgente travar o desinvestimento na educação e a imposição de praticas que fomentam o facilitismo. Só assim a educação se traduzirá em capital para o futuro.

Professor convidado EEG/UMinho

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
25 de Abril

Princípio da União de Interesses

Vicente Ferreira da Silva
359

O nosso sistema de governo promove desigualdades entre os cidadãos, elimina a responsabilidade dos titulares de cargos públicos e limita as liberdades, os deveres e os direitos fundamentais.

Democracia

O custo da não-participação

Vicente Ferreira da Silva
158

Manter a liberdade e/ou a democracia é mais difícil do que a conquistar. Fará diferença, para quem não participa, viver em democracia ou em ditadura?

Educação

Despedir os professores todos

João Pires da Cruz
909

A minha proposta é despedir os professores todos e entregá-los a Bruxelas. A escolha dos professores e a sua gestão deve ser feita pelas escolas; o pagamento dos seus salários deve vir de Bruxelas.

Educação

Índices: orgulho e preconceito

João Araújo
129

Erradicar os índices seria levar a humanidade para a idade da pedra. Em algumas áreas (como na Educação) eles estão sob fogo cerrado, como sucede a tudo que exponha os seus embustes e maus resultados.

Escolas

Como travar o Processo de Elitização em Curso?

Rodrigo Queiroz e Melo
199

O atual sistema prejudica fortemente e condiciona a mobilidade socioeconómica. A maior das ironias é que tenha sido a atual solução governativa a causadora de tamanha desigualdade. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)