Rádio Observador

Eleições Europeias

Da recuperação da esperança

Autor
  • Filipa Osório
159

O único factor que efectivamente pode combater a abstenção é a qualidade política. Assim, é importante mostrar ao eleitorado não o prolongamento do sistema, mas sim as existentes alternativas.

A característica mais saliente na relação de grande parte dos portugueses com a política do país é a falta de esperança. A maior parte dos cidadãos não acredita no sistema político. A perceção geral é a de que a sociedade está entregue a um sistema viciado, mergulhado em interesses e compadrios, não havendo possibilidade de resgatá-lo. Cria-se, então, um sentido de impotência relativamente ao Estado, visto como um grupo inquebrável e inatingível.

O resultado desta experiência é, exactamente, o abandono total da esperança, traduzido na notória taxa de abstenção nas eleições do país. Mas como acontece isto, especificamente?

De modo a conseguirmos entender este fenómeno, devemos primeiro definir o conceito de ‘agência’. Sem querer mergulhar nas existentes discussões académicas sobre este conceito, vamos utilizar uma definição relativamente básica. Agência é algo que se tem e tem agência aquele que tem capacidade de livre ação – e, assim, transformação – na sociedade.

Aquilo que melhor descreve o cidadão português comum é a debilitação do seu sentido de agência, seja ela económica ou política. Debilitação da sua agência económica pois a sua liberdade para se constituir como um agente económico sofre penalizações constantes. O grande agente económico em Portugal, têm-nos dito, deve ser o Estado.

É importante, também, sublinhar a crença na falta de agência política. Isto implica o abandono do poder transformativo, achando o cidadão que as suas acções não têm consequências nem resultados.

Vamos ser um pouco mais claros.

Se tivermos de estabelecer a quem pertence a sociedade, parece-me óbvio dizer que pertence ao cidadão e não ao Estado. O Estado é um órgão contratado pelos cidadãos através do voto e financiado pelos mesmos. Assim, deve ser soberana a sua livre iniciativa – normalmente denominada iniciativa privada.

Existe iniciativa privada quando qualquer indivíduo tem a liberdade de criar algo para a sociedade – seja um produto ou um serviço – e criar rendimento para si próprio. Quando há iniciativa privada, o cidadão é livre para constituir a sua individualidade económica. Contudo, em Portugal, esta liberdade é constantemente penalizada pelos entraves constantes do Estado. Burocracia, taxas e impostos. É, exatamente, diminuída a agência do indivíduo.

Assim se começa a perder o sentimento de que o indivíduo é um agente na sociedade. O indivíduo nada faz enquanto o Estado faz tudo. A dormência do cidadão leva a uma maior apropriação da sociedade por parte do Estado e, paradoxalmente, a um menor sentido de responsabilidade por parte do mesmo, por poder tomar o seu lugar como garantido. Consequentemente, dá-se um aumento da actividade corrupta – e, logicamente, a diminuição das consequências judiciais.

Começa-se a consolidar o sentimento de impotência relativamente ao Estado. Sobretudo, a impotência relativamente a uma classe política que alarga e perpetua este poder. Assim, nasce a crença de que o cidadão não tem poder político, o poder de reformar a sua sociedade e, consequentemente, a falta de esperança.

Qual o direito do Estado de se impor de tal maneira quando a sociedade não lhe pertence?

Para contrariar este sistema, é necessário desconstruir o poder central. É necessário liberalizar e tornar o indivíduo soberano. Incentivar a agência económica dos cidadãos, para que estes possam cooperar e produzir. A cooperação e entreajuda são, na verdade, conceitos do Liberalismo. Os cidadãos cooperam entre si, através de trocas recíprocas de bens, serviços e capital, e, assim, contribuem para o desenvolvimento da sociedade. O Estado não deve dificultar este desenvolvimento.

O indivíduo deve ser, também, um agente político, um agente transformador na sociedade. Sem iniciativa, não existe regeneração. Vários debates têm contado com reflexões sobre como combater a abstenção eleitoral, querendo mostrar ao eleitorado que a sua participação é relevante. Sim, a participação nas eleições é importante. Mas o único factor que efectivamente pode combater a abstenção é a qualidade política. Assim, é importante mostrar ao eleitorado não o prolongamento do sistema, mas sim as existentes alternativas.

A alternativa mais saliente ao sistema que temos visto em Portugal é o Liberalismo. Quiseram dar poder à população, mas deram o poder ao Estado e reduzimos a liberdade do cidadão. Alargaram o Estado e reduziram o seu sentido de responsabilidade. Quiseram uma democracia saudável e criaram falta de esperança.

Mas é possível fazer diferente. Dar mais poder ao cidadão e criar uma democracia mais participativa e com melhor representatividade. Por onde começar? Escolha a regeneração no boletim de voto.

Membro do Iniciativa Liberal

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

PAN

Totalitarismozinho dos anos 40 /premium

José Diogo Quintela

Este discurso da emergência climática dá muito jeito em termos políticos. Em primeiro lugar, tudo o que acontece de mal deve-se ao clima. Logo, a culpa nunca é do Governo, é de toda a humanidade.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)