Inovação

O fim do dinheiro como o conhecemos? /premium

Autor

Os pagamentos em numerário saíram mais caros aos comerciantes que os pagamentos com cartão de débito, facto que destrói o mito urbano dos “pagamentos com cartão só acima dos 5 euros” que ainda se vê.

Um estudo promovido pela Mastercard revela que 93% dos portugueses andam sempre com dinheiro na carteira e que, em média, trazem consigo 22 euros. Além do dinheiro, 7 em cada 10 portugueses, tem um cartão de débito e, em média, mais de 53% tem um cartão de crédito. Entre os inquiridos neste estudo, 55% confirmam ter um cartão com a tecnologia Contactless e, destes, 66% dizem utilizá-lo regularmente para pagamentos até 20 euros.

Estes dados são confirmados pelo mais recente relatório do Banco de Portugal sobre meios de pagamento, que revela que os instrumentos de pagamento mais utilizados nos pontos de venda físicos são o numerário e os cartões de débito. Estes instrumentos de pagamento perfizeram, em conjunto, 78,9% dos custos sociais (respetivamente, 1093,0 milhões de euros e 413,0 milhões de euros de encargos) que, em Portugal, foram estimados em 1909,0 milhões de euros para o ano de 2017, valor equivalente a 0,99% do produto interno bruto (PIB) daquele ano.

Mas o mais curioso destes dados do Banco de Portugal é que os pagamentos em numerário saíram mais caros aos comerciantes que os pagamentos com cartão de débito, facto que destrói o mito urbano dos “pagamentos com cartão, só acima dos 5 euros” que ainda vemos em alguns estabelecimentos comerciais pelo país fora. Segundo o BdP, os pagamentos em numerário custaram aos comerciantes 62% do total dos custos (16% aos consumidores e 22% aos Bancos), ao passo que os custos dos comerciantes com os pagamentos com cartão de débito foram de apenas 42% (9% para os consumidores e 49% para os Bancos).

Por outro lado, os números apresentados pelo Banco de Portugal ajudam a desmontar outro mito. O de que o dinheiro que temos na carteira nos chega às mãos gratuitamente. E, ainda mais importante, que fica provado que é mais caro manusear numerário do que cartões de débito.

Então, do que estamos à espera para rumarmos mais depressa para uma sociedade Cashless? Será apenas um desafio cultural? Talvez não. Segundo um outro estudo que a Mastercard fez em Portugal, o ano passado, junto dos portugueses entre os 60 e 74 anos, pudemos concluir que 19% dos portugueses entre os 60 e 74 anos já fazem compras online, ainda que esporadicamente, e 67% já têm um telemóvel com acesso à internet, sendo que 25% destes têm instalada a app do seu banco. Mais, 69% têm computador e 32% dizem ter um tablet, ambos com acesso à internet.

Perante estes dados, não se percebe porque é que Portugal está a perder terreno em relação a outros países, como por exemplo Espanha, na adoção dos mais modernos sistemas de pagamentos. E se é certo que têm surgido algumas soluções nacionais interessantes, por outro, essas soluções apenas permitem a utilização de cartões nacionais. Ou seja, se um turista tem um cartão internacional, dificilmente o poderá utilizar em toda a rede de nacional de pagamentos.

Este estado da arte está em linha com o que se passa em Portugal ao nível das transações Contactless, que representam menos de 3% do total de transações, quando, em outros países europeus o Contactless já representa entre 30 e 50% do total de transações. Em Londres, por exemplo, a introdução da tecnologia Contactless na TFL – Transport for London permitiu uma redução de custos na ordem dos 35%, superior a 100 milhões de euros. Na Suécia, quatro em cada cinco transações já não envolvem dinheiro físico. As notas e moedas foram abolidas nos autocarros e a maior parte das atrações turísticas de Estocolmo já só aceitam pagamentos digitais. Já na Dinamarca é expectável que os pagamentos em dinheiro sejam abolidos até 2030.

Fica, portanto, claro que é preciso apostar na aceleração da utilização do Contactless. Além de ser uma tecnologia com evidentes benefícios para os comerciantes, por permitir a aceitação dos pagamentos dos clientes de forma mais fácil e rápida, e para os consumidores, porque melhora significativamente a experiência de compra pela facilidade e segurança que introduz no ato de pagar, o Contactless é o passo intermédio e natural para a adoção das novas soluções digitais de pagamento através de dispositivos como o smartfone ou os wearables, os quais vão possibilitar, em definitivo, a evolução mais rápida para uma sociedade Cashless.

Paulo Raposo, Diretor Geral da Mastercard em Portugal

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)