Rádio Observador

Justiça

Razões de um Programa do Governo para a Justiça

Autor

É rigorosamente falso que o pecado original do actual Mapa Judiciário esteja no encerramento de tribunais. O verdadeiro cancro deste Mapa acha-se no vazio que manteve para a Justiça de proximidade.

Cada um de nós tem o seu ângulo de visão para apreciar um Programa do Governo para a Justiça. Nenhum Juiz fará o mesmo exame que um Advogado e, muito menos, um Procurador (Ministério Público) abordará esse Programa como cidadão/utente do aparelho judiciário.

Mas há mais: toda a actividade judicial está organizada para atingir um objectivo — alcançar uma decisão (judicial). Pois bem, ao Governo não cabe tomar decisões (judiciais).Sendo assim, para quê um Programa do Governo para a Justiça? Se o Governo não decide, nem bem, nem mal; se o Governo não despacha processos, nem rapidamente, nem é moroso, qual a utilidade do Programa do Governo para a Justiça?

Mas há ainda mais: as leis da Justiça são aprovadas, em exclusivo, pela Assembleia da República. Então, qual o conteúdo útil da actividade do Governo adentro de um Programa que elabora e aprova? Ora, mesmo admitindo que o Governo pode e deve traçar as linhas programáticas para a Justiça, esbarra, na sua execução, com duas variáveis. Dum lado, os poderes dos actos judiciários que se acham fora das competências políticas do Governo, doutro lado, a abordagem que o titular da Pasta da Justiça fará, pois muito dependerá da sua cultura e da mundividência que profissionalmente o informam. O mesmo Programa, lido e aplicado por um Advogado, tem um conteúdo diferente do que lê e aplica um Magistrado (seja Judicial, seja do Ministério Público). Não é difícil concluir que olhar para o Poder Judicial de fora para dentro é politicamente desfocado da abordagem inversa: de dentro dos poderes (Juízes e MP) para/ou em direcção à cidadania.

Dito isto, faço a minha declaração de interesses: assumo-me como profissional do foro, exclusivamente virado de fora para dentro, ou seja, na pele do cidadão.

Para este ângulo de visão são incontáveis os temas a abordar. Irei por etapas, mas enumero-os, desde já. Que questões coloca um português médio à nossa Justiça? Desde logo, a opacidade, o mundo inapreensível das liturgias, dos discursos, da burocracia, depois, o preço sempre violento e especulativo, especialmente face à qualidade dos serviços prestados.

Vou elencar os temas mais relevantes que estão na origem dos entorses da nossa Justiça e tratá-los-ei em separado em confronto com o Programa do Governo, um de cada vez. Vejamos os que entendo destacar:a Organização Judiciária; o recrutamento dos profissionais da Justiça; a formação inicial e permanente desses profissionais; o preço das Justiça; as tecnologias na Justiça; os Governos dos profissionais (Conselho Superior da Magistratura, Conselho Superior do Ministério Público, Ordem dos Advogados, Ordem dos Solicitadores, Conselho dos Oficiais de Justiça, etc.); as associações sindicais; a estatística da Justiça; a justiça civil, a penal, a administrativa, a laboral, a fiscal, a comercial, a de família e de menores; a desjudicialização da Justiça; a resolução alternativa de litígios…

Por razões de economia de espaço, comecemos pelo tema aparentemente mais difícil: a Organização Judiciária. Separaremos este tema em três subtemas.

O primeiro, o horizontal, é o da divisão geográfica. Neste subtema pergunta-se: qual a amplitude de cada comarca? Do distrito administrativo? Do município? Da freguesia? É bom que se saiba que a comarca judicial é o centro nervoso da estrutura da Justiça. Até 2008, o País estava organizado em mais de 300 comarcas (sem critério geográfico, nem estatístico), que se agrupavam em distritos judiciais (a saber, Lisboa, Porto, Coimbra e Évora, onde se sediavam os Tribunais da Relação), cuja cúpula nacional entronca no Supremo Tribunal da Justiça. Em 2008 foi aprovada nova organização judiciária, reduzindo para 21 comarcas, encerrando alguns tribunais e optando-se por criar três comarcas-piloto. Esta experiência não resultou e é sugerido, logo em 2009, redimensionar as comarcas, fazendo coincidir a sua área geográfica com a do distrito administrativo.

A segunda óptica, para operar este exame, é a vertical, ou seja, em cada comarca, que serviços os tribunais podem e devem oferecer? Aqui está o centro nervoso da reforma, pois as opções são múltiplas. Os critérios são: por número de processos entrados e findos em cada ano? Pela dispersão geográfica e pelos acessos físicos a cada localidade? Pela densidade demográfica? Pela valorização do interior ou, no mínimo, pelo impedimento da sua desvalorização?

Ora, não podemos confundir dois conceitos que o actual Mapa Judiciário confundiu: o de comarca e o de tribunal. Esta confusão levou a actual organização a criar um só tribunal em cada comarca, pelo que se desfocou e violou a natural “função simbólica” dos tribunais. Assim, por exemplo, à Comarca de Évora não pode corresponder um só tribunal, nem a substituição deste conceito de “Tribunal” pelo de “Instância” (que foi o que aconteceu) é suportável constitucional, sociológica e politicamente. Mas a questão, colocada verticalmente, é mais profunda e é a seguinte: deve haver um tribunal em cada município ou deve escolher-se outro critério, por exemplo, o número de processos ou a distância e facilidade de acessos?

A questão está mal colocada. De facto, a malha judiciária tem de respeitar a óbvia necessidade de especialização dos Juízes e dos Tribunais, mas, acima de tudo isso, tem de preencher o vazio da inexistência de mecanismos jurisdicionais para a pequena conflitualidade e para garantir o “Tribunal ao pé da porta”.Ora, o défice da organização judiciária resulta da evidente falência política dos Julgados de Paz e da inexistência de Tribunais Municipais que satisfaçam a óbvia carência de meios para dirimir a pequena conflitualidade. Atenta a nossa cultura judiciária, não será fácil preencher esse vazio por via dos meios alternativos de resolução de conflitos (conciliação, mediação e arbitragem).

A malha judiciária, em suma, deve ser preenchida por vários Tribunais Judiciais (adentro de uma comarca por distrito administrativo) e por Tribunais Municipais (sediados no município), que assegurariam a proximidade e valorizariam as funções simbólicas e instrumentais dos Tribunais. O que nos faz falta é o preenchimento desse vazio que garantiria a paz social junto das populações e fá-lo-ia com a presença de advogados, informalmente, com a máxima simplicidade possível, na sede do município e com competência material obrigatória. No princípio dos tempos, pensou-se nos Julgados de Paz para alcançar essa missão, mas os poderes instalados recusaram as suas virtualidades. Como se vê, é rigorosamente falso que o pecado original do actual Mapa Judiciário esteja no encerramento de tribunais. O verdadeiro cancro deste Mapa acha-se no vazio que manteve para a Justiça de proximidade.

O terceiro subtema desta reflexão tem que ver com a gestão política, económica, processual e humana dos tribunais. Este é o tema eleito como central no Programa do Governo. Sob o lema “Agilizar a Justiça”, o Governo propõe reduzir prazos processuais, incentivar a produtividade, melhorar os meios de gestão dos tribunais, dar formação para a gestão, recrutar profissionais para a área da gestão, melhorar a gestão dos recursos humanos, alterar os estatutos dos Magistrados, descongestionar os tribunais, incentivar a resolução de litígios sem recurso aos tribunais, alargar a competência dos julgados de paz, bem como dos centros de mediação e arbitragem, investir nos incentivos à prevenção de conflitos, simplificar e desmaterializar os processos judiciais, inovar radicalmente na cultura processual civil com “gestão dinâmica do processo pelo Juiz”, alterar as regras de produção da prova e das regras da citação (com domicílio legal obrigatório),corrigir os erros do Mapa Judiciário, prevendo o julgamento em cada concelho, obter uma decisão célere em “matérias importantes”.

Muitas outras medidas se preconizam, devendo ser tratadas autonomamente. Mas, como se viu, nesta amálgama de propósitos torna-se ostensivo que o Governo pretende operar uma verdadeira “revolução” na prática judiciária, sempre vocacionada para a eficácia, mesmo amputando garantias fundamentais o que, a meu ver, se tornaria desnecessário. A reforma preconizada vai no bom sentido no que à matéria de gestão diz respeito, embora não acompanhe o Programa no que se reporta a uma parcelar visão adoptada, pois transparece uma unilateral mundividência provinda da autoridade, por vezes estranha à realidade forense. No entanto, estas arestas podem ser facilmente limadas se os protagonistas das reformas cultivarem a cidadania, que não é incompatível com a eficácia judiciária.

Secretário de Estado da Justiça no XVIII Governo Constitucional (2009-2010)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Prisões

Todo o homem é maior que o seu erro 

Luís Gagliardini Graça

Sobre Justiça Restaurativa ou Reparadora, a proposta do PAN é extemporânea, não se adequando à realidade, e a do Chega não é compatível com a nossa cultura ocidental, baseada no perdão cristão

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)