Livros

Treinar o cérebro para vencer maus hábitos

661

Identificar o problema, decidir a melhor forma de o eliminar, treinar, treinar, treinar e festejar os resultados. Só precisa de exercitar o cérebro para fazer o melhor por si.

O cérebro pode ser treinado

Matt Cardy/Getty Images

Assim como podemos escolher ir ao ginásio ou fazer exercícios físicos em casa, também podemos treinar o cérebro para melhorar determinadas tarefas ou desempenhos no nosso dia-a-dia. Exercitamos o cérebro sempre que aprendemos a tocar um instrumento ou uma nova língua, quando resolvemos um puzzle ou um exercício matemático, quando recordamos histórias passadas ou até quando escrevemos à mão.

Esta segunda-feira o jornal espanhol ABC apresentou algumas das propostas do livro “Neurocoaching”, de Silvia Escribano Cuerva, Guglielmo Foffani e Fernando de Castro Soubriet. Fazer coisas novas parece ser a chave. Cada vez que desafiamos o nosso cérebro para uma nova tarefa, um novo percurso ou uma atividade feita de uma forma diferente, podemos estar a estimular novas áreas do cérebro. Porém, convém recordar que se o cérebro realiza determinadas tarefas de forma automática, é para libertar a atenção para outras tarefas que necessitam de maior foco.

Os autores associam as atividades automáticas e os hábitos de comportamento que geram um benefício ao desenvolvimento e enraizamento dos maus hábitos. Esses hábitos podem influenciar o nosso bem-estar físico e psicológico e é a motivação de cada um que ajudará a vencê-los. Mude as rotinas, substitua os maus hábitos, mas acima de tudo mergulhe no interior e perceba o que o perturba e aquilo que pretende mudar.

Descubra o que precisa de fazer para se sentir bem, mude os hábitos, repita os novos hábitos e festeje as novas conquistas. Acima de tudo não se imponha prazos, cada pessoa e cada mau hábito tem um tempo de “cura” próprio.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Economia

Do Nobel, da racionalidade e da moralidade

João Pires da Cruz

O ecossistema que usa expressões como “especuladores da economia de casino” ou “fundos abutres” assenta num puritanismo antieconómico e em ideologias com 150 anos que há 149 que se sabe serem erradas.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site