Síria

Vídeo: o surpreendente concerto russo em Palmira

309

No mesmo palco onde há pouco tempo o Estado Islâmico fazia execuções, uma orquestra de São Petersburgo tocou Prokofiev, Bach e Shchedrin.

AFP/Getty Images

Autor
  • João Pedro Pincha

Talvez não haja melhor forma de se fazer uma afirmação de poder num território do que através da arte. Depois da reconquista de Palmira ao Estado Islâmico, a Rússia (que ajudou nas operações militares) promoveu um concerto no anfiteatro romano da antiga cidade.

Perante uma plateia de soldados russos e sírios e de algunss população local, a orquestra Mariinsky de São Petersburgo, sob liderança do maestro Valery Gergiev, apresentou peças de Prokofiev, Bach e Shchedrin, um compositor russo. Algumas passagens foram interpretadas a solo por Sergei Roldugin, o violoncelista amigo de Vladimir Putin, cujo nome aparece referido nos Panama Papers.

Um vídeo com declarações do presidente russo foi apresentado antes do concerto. Putin elogiou as tropas que participaram na libertação de Palmira e dedicou o espetáculo às vítimas do terrorismo internacional.

Eis o vídeo do concerto na íntegra:

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estados Unidos da América

Carta da América

João Carlos Espada

Na América, está em curso um vigoroso renascimento conservador-liberal. Conseguirá a vaga conservadora em gestação na Europa acompanhar a linguagem liberal e anti-estatista da sua congénere americana?

Catalunha

A Catalunha e nós

Manuel Villaverde Cabral

Devido à política obtusa de Rajoy, uma boa parte dos catalães pretende mais do que equidade fiscal, como o governo aparentemente lhe propõe agora em troca do cancelamento do pseudo-referendo.

Autárquicas 2017

Falar de André Ventura

Alexandre Homem Cristo

Ventura está a ser sobrevalorizado – enquanto candidato e, mais ainda, enquanto intérprete de novos rumos para a direita. Um erro que, perante a tentação de leituras nacionais, será importante evitar.

Estados Unidos da América

Carta da América

João Carlos Espada

Na América, está em curso um vigoroso renascimento conservador-liberal. Conseguirá a vaga conservadora em gestação na Europa acompanhar a linguagem liberal e anti-estatista da sua congénere americana?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site