Euro 2016

Herói improvável, substituto salvador. O que se diz lá fora sobre Éder

848

Éder começou por fazer golos a troco de costeletas, e agora os jornais estrangeiros já o consideram "o novo membro do panteão" do futebol europeu.

"Rematou com força e precisão, atirando a bola para o canto inferior direito das redes de Hugo Lloris", elogia o The Guardian

AFP/Getty Images

Éder não era propriamente o jogador mais conhecido ou amado da nossa seleção. Sobre a história da sua vida, dura, falamos aqui. Mas, se cá em Portugal todos ficámos surpreendidos quando foi Éder a dar-nos o título, o que se pensou lá fora, onde todos os olhos estavam postos em Ronaldo?

“O atacante substituto salvador”, chama-lhe o Gazzetta World, versão em inglês do Gazzetta dello Sport.

No Reino Unido também se sabe pouco sobre o jogador. “Quem é Éder?”, pergunta o jornal Daily Star, num artigo dedicado à vida do avançado. “Éder não brilhou no Swansea”, que o emprestou ao Lille, explica o jornal. O jogador, de 28 anos, “ganhou nome no Braga, onde fez 26 golos em 60 aparições”. Saiu de lá para o Swansea, onde “só jogou 15 vezes e não marcou”. Depois, foi emprestado ao Lille, onde já garantiu um contrato de quatro anos.

eder

“Uma das transferências mais dececionantes” na história do Swansea City. A frase é do South Wales Echo, citada numa análise do The Guardian. O Swansea City pagou 5 milhões de libras pelo jogador.

“Rematou com força e precisão, atirando a bola para o canto inferior direito das redes de Hugo Lloris”, elogia o The Guardian.

“Éder, o herói improvável”, escreve o jornal espanhol Marca. “Ninguém esperava, mas a final do Euro 2016 foi decidida por Ederzito António Macedo Lopes”, sublinha a publicação, na sua versão em inglês.

“O novo membro do panteão” do futebol europeu, diz o jornal espanhol. O golo da final “escreveu o nome de Éder de forma indelével na história do Euro”, continua a Marca, lembrando que foi apenas a terceira vez que o jogador apareceu no Euro 2016. O caso, acrescenta a publicação, é de “um ator secundário a roubar o protagonismo do espetáculo”.

“Éder, o anti-herói que recebia costeletas quando marcava um golo”. O El Mundo conta a história do jogador. “Talvez o único que sempre tenha pensado num futuro melhor para o avançado tenha sido Fernando Santos”, escreve o jornal. A publicação espanhola recorda o início da carreira de Éder, no Tourizense, onde recebia 400 euros por mês, e no Adémia, onde “um talhante lhe dava uma costeleta por cada golo que marcava”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Orçamento do Estado

Tributação com sal q.b.

Susana Claro

Quando se atingem níveis de tributação em que os impostos indiretos são responsáveis por metade do preço de venda dos produtos, há que indagar se não estará na altura de decidir que Estado queremos.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site