Logo Observador
Economia

Atividade económica e consumo privado aumentam em dezembro

Dados do Banco de Portugal revelam que a atividade económica e o consumo privado aumentaram 0,8% e 2,2%, respetivamente, em dezembro.

Os indicadores coincidentes são indicadores compósitos que procuram captar a evolução subjacente da variação homóloga do respetivo agregado macroeconómico

NUNO ANDRE FERREIRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A atividade económica aumentou em dezembro de 2016 pelo terceiro mês consecutivo, tendo o consumo privado registado também uma evolução positiva, de acordo com os indicadores coincidentes divulgados, esta sexta-feira, pelo Banco de Portugal (BdP). Segundo os dados do BdP, o indicador coincidente mensal para a atividade económica fixou-se nos 0,8% em dezembro, depois dos 0,7% de novembro e dos 0,6% de outubro, sendo que, ao longo do terceiro trimestre de 2016, se tinha mantido estável nos 0,5%.

Já o indicador coincidente mensal para o consumo privado subiu para os 2,2% em dezembro, depois de se ter fixado nos 2,1% nos dois meses anteriores.

Os indicadores coincidentes são indicadores compósitos que procuram captar a evolução subjacente da variação homóloga do respetivo agregado macroeconómico.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

Mais liberalismo ou menos socialismo?

Vítor Cunha

Para galvanizar a juventude para o liberalismo não basta o "argumento da superioridade moral do individualismo": é necessário remover o incentivo para que depender do salário de Estado seja atraente.

Filosofia Política

Liberalismo, sempre!

Telmo Azevedo Fernandes
393

É necessário restaurar o espírito do Liberalismo Clássico, assumir e divulgar a superioridade moral da defesa das liberdades individuais por contraponto a qualquer das outras alternativas ideológicas.

Presidenciais em França

Macron, um Presidente sozinho

Alexandre Homem Cristo

O que há a festejar na (quase certa) eleição de Macron, na segunda volta, para além do facto de ele não ser Le Pen? Nada. Ele é um homem sozinho e sem força política para reformar uma França decadente