Logo Observador
Caixa Geral de Depósitos

Porta-voz do PS acusa: Marcelo está “profundamente implicado” na polémica da Caixa

1.630

O porta-voz e deputado do PS João Galamba acredita que o Presidente da República tentou desresponsabilizar-se na polémica da Caixa, mas que está tão "implicado" como o ministro das Finanças.

O deputado e porta-voz do PS João Galamba considera que Marcelo Rebelo de Sousa se tentou desresponsabilizar no caso da Caixa Geral de Depósitos, mas que é tão responsável como o ministro das Finanças. Num ataque forte, Galamba diz mesmo que Marcelo está “profundamente implicado” na polémica da Caixa.

As declarações foram feitas no programa Sem Moderação, transmitido quarta-feira à noite pela TSF e o Canal Q (no link é possível ouvir a frase ao minuto 16:12), o socialista diz que o Presidente “está profundamente implicado nisto. O que ele tentou fazer na segunda-feira, político hábil como é, foi tentar demarcar-se disto e tentar desresponsabilizar-se de uma responsabilidade que é também sua“.

Tudo aquilo de que é acusado Mário Centeno pode Marcelo Rebelo de Sousa ser acusado da mesma coisa”

Para João Galamba, o SMS que veio a público mostra que “o Presidente queria incluir a obrigatoriedade da entrega [das declarações de património pelos administradores da Caixa], mas depois foi convencido pelos argumentos do Governo”. E acrescentou que “ou o argumento foi que não era preciso porque a lei de 83 era válida, e Marcelo concordou, ou o argumento era que era fundamental não entregar, e o Presidente não podia incluir isso na promulgação”. O socialista admite, no entanto, que “Mário Centeno e a sua equipa foram ineptos” na condução do processo, mas garante ser “falso” que o Governo “aceitou tudo”, ou seja, todas as condições apresentadas por António Domingues para presidir ao banco público. Centeno “aceitou o mínimo”, afirmou no programa de debate

Mais à frente, já depois do intervalo do programa, João Galamba volta a falar no assunto para reafirmar tudo sobre o Presidente que diz ter feito uma “malandrice” e que “tentou sacudir a água do capote. Fica mal ao Presidente. O comunicado que fez é inaceitável, à luz da Constituição e dos poderes presidenciais”.

Na segunda-feira ao fim da noite, o Presidente da República publicou uma nota no site da Presidência onde aceitou a posição do primeiro-ministro de manter o ministro das Finanças em funções. Mais tarde Marcelo veio esclarecer que quando publicou esta nota já conhecia todos os elementos do caso, ou seja, as SMS trocadas entre o ministro das Finanças e o ex-presidente da Caixa (que saiu durante esta polémica) António Domingues. Este episódios provocou incómodo no Governo e no PS.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Liberdades

Mais liberalismo ou menos socialismo?

Vítor Cunha

Para galvanizar a juventude para o liberalismo não basta o "argumento da superioridade moral do individualismo": é necessário remover o incentivo para que depender do salário de Estado seja atraente.

Filosofia Política

Liberalismo, sempre!

Telmo Azevedo Fernandes
393

É necessário restaurar o espírito do Liberalismo Clássico, assumir e divulgar a superioridade moral da defesa das liberdades individuais por contraponto a qualquer das outras alternativas ideológicas.

Presidenciais em França

Macron, um Presidente sozinho

Alexandre Homem Cristo

O que há a festejar na (quase certa) eleição de Macron, na segunda volta, para além do facto de ele não ser Le Pen? Nada. Ele é um homem sozinho e sem força política para reformar uma França decadente